Ensaios e Resenhas

Alberto_Manguel_2_220

Cosmologia literária

Por VIVIAN SCHLESINGER

Alberto Manguel investiga as metáforas usadas desde a antiguidade para descrever leitores e leitura

Jorge Amado, autor de Capitães da areia

Jorge “Repetidor” Amado

Por RODRIGO GURGEL

No romance “Capitães da areia”, a reiteração se torna um esquema de maçante previsibilidade

Ilustração: Aline Daka.

Elogio da disfunção narrativa

Por ANDRÉ DE LEONES

A busca desenfreada (e empobrecedora) de uma função narrativa na construção ficcional

Caco Ciocler, autor de Zeide.

O tesouro das histórias

Por CELSO GUTFREIND

“Zeide”, romance de Caco Ciocler, está repleto de diversas perspectivas ou focos narrativos

Evandro Affonso Ferreira, autor de Nunca houve tanto fim como agora.

Filosofia do abandono

Por GISELE BARÃO

O sentido da vida nas ruas e a exclusão social são temas de “Nunca houve tanto fim como agora”

Benjamin Tammuz, autor de Minotauro.

Buscar o abismo

Por Leandro Reis

“Minotauro”, de Benjamin Tammuz, constrói-se de pistas falsas, alusões ambíguas, múltiplos pontos de vista

Menotti del picchia

Sarcasmo e mediocracia

Por RODRIGO GURGEL

“Cummunká”, romance de Menotti Del Picchia, ri com deliciosa ironia das contradições modernistas da Semana de 22

Patricia_Porto_2_218

Simples só na aparência

Por Rodrigo Tadeu Gonçalves

A linguagem clara e os versos livres longos são a marca de “Cabeça de Antígona”, de Patricia Porto

Wellington de Melo, autor de Felicidade.

A última miragem

Por HARON GAMAL

“Felicidade”, de Wellington de Melo, narra a desesperança, a denúncia de um mundo abjeto, sem saída

Nuno Ramos, autor de Adeus, cavalo.

Corpo coberto de linguagens

Por Jorge Ialanji Filholini

A leitura de “Adeus, cavalo”, de Nuno Ramos, surpreende pelas junções de falas e vozes

Giovana_Madalosso_2_218

As linhas retas de uma mesa quadrada

Por Iara Machado Pinheiro

“Tudo pode ser roubado”, de Giovana Madalosso, diverte, mas não ultrapassa a morna coesão

filmframes_adicionado_origemHD2

Deserto de entressafra

Por WLADIMIR SALDANHA

“Discurso para desertos”, de Denise Emmer, tem o mérito de articular o universo poético da autora em contrapontos