Mapas para desaparecer

Com o romance Sorte (2018), editado pela Moinhos, Nara Vidal foi uma das vencedoras do Prêmio Oceanos de 2019
Mapas para desaparecer
Nara Vidal
Faria e Silva
136 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
01/02/2021

Com o romance Sorte (2018), editado pela Moinhos, Nara Vidal foi uma das vencedoras do Prêmio Oceanos de 2019. Mais recentemente, no final do ano passado, a escritora e tradutora mineira — radicada na Inglaterra — retornou às narrativas breves em Mapas para desaparecer. Nos 11 contos, a autora parece dar continuidade a um projeto literário que se propõe a explorar o universo feminino e questões que o acompanham, em tramas sobre o desgaste de um casamento, abusos, exploração social, desaparecimento e repressão sexual, trazendo à tona diferentes formas de submissão. Se em sua primeira obra de fôlego foi retratada a situação degradante de uma imigrante no Brasil do século 19, em uma sociedade marcada pela escravidão e violência, nos novos textos Nara sugere que o ciclo de ódio não chegou ao fim. Para o crítico Sérgio Tavares, em texto publicado no Estado de Minas, o conjunto “manifesta toda aversão a comportamentos destrutivos de violência, de submissão, de cancelamento da mulher”.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade

Leia também

João Cezar de Castro Rocha

Rio de Janeiro - RJ

Alinhavados com astúcia numa narrativa coesa, fatos alternativos são poderosas armas políticas: bombas atômicas na infodemia contemporânea
Rascunho

Curitiba - PR

A opinião, comentários e sugestões dos nossos fiéis leitores
Alexandre Marino

Brasília - DF

Leia os poemas "Sete planetas", "Horizontes", e "Transitórios"
Susanna Busato

Leia os poemas "Jardim do Éden", "Cantiga de moça" e "Mulheres têm pelos"