Edição 250

Noemi Jaffe

São Paulo - SP

Se nos ativermos à tirania dos relógios ou à facilidade das sequências, nossos contos, crônicas e romances vão se assemelhar a relatos factuais
Rascunho

Curitiba - PR

Leia em PDF a edição 250 (fevereiro/21), com destaque para a entrevista de José Luís Peixoto. Arte da capa: Raquel Matsushita
Fábio Lucas

Recife - PE

Em ensaio biográfico, Richard Bradford demonstra como o pensamento de George Orwell continua vivo na política e na literatura após 70 anos de sua morte
José Castello

Curitiba - PR

Filme dirigido por Gabriela Greeb sobre a autora de “A obscena senhora D” é um espantoso e surpreendente documentário de ficção
Faustino Rodrigues

Belo Horizonte - MG

Em seu primeiro romance, João Saraiva expõe as debilidades dos laços sociais no Brasil contemporâneo, em um livro urgente e atual
Nelson de Oliveira

São Paulo - SP

Como escrever contos, novelas e romances futuristas otimistas, mas com inegável qualidade literária, que não pareçam ingênuos e simplistas?
José Castilho

São Paulo - SP

Com um perfil muito próprio, a edição científica no Brasil se afirmou como expressão privilegiada da democratização do acesso ao conhecimento
Clayton de Souza

São Paulo - SP

"Thérèse Desqueyroux", de François Mauriac, expõe as disfunções da sociedade francesa por meio de uma personagem similar à famosa criação de Flaubert
Rinaldo de Fernandes

João Pessoa - PB

As “Memórias” e as “Memórias inacabadas” estão entre os textos mais aprazíveis da literatura brasileira, são obras que encantam pelo que contêm de vida
Claudia Nina

Rio de Janeiro - RJ

Nas crônicas de "Antes não era tarde", o gaúcho Pedro Gonzaga trabalha bem com a nostalgia que o gênero sugere, capturando sensações e sentimentos