O tempo da literatura

Seja por questões financeiras, operacionais ou por respeito ao processo artístico, é uma bênção que o tempo da literatura seja distinto
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
06/01/2021

Quando comecei a publicar livros, descobri um novo relógio. Eu vinha do jornalismo e da publicidade, onde os textos eram para ontem, mensagens tinham respostas imediatas, emails eram enviados e respondidos nos finais de semana. O manuscrito da minha primeira publicação, A teta racional, demorou quatro meses para ser lido. Outros seis para ser publicado. Talvez nem seja tanto. Sei de originais que demoraram mais de um ano para ser lidos. Livros que demoraram mais de cinco para ser publicados. Emails de recusa que chegaram ainda depois disso.

Morosidades reprováveis à parte, o tempo da literatura é outro. No momento em que escrevo esse texto, estou fechando um ciclo. Lancei um romance, trabalhei durante meses no lançamento e divulgação e agora respiro e me preparo para escrever um novo livro. Quando devo entregá-lo?, perguntei ao meu editor, pensando que, quanto antes, melhor. Ele me disse para deixar de ser prolífica. A máquina do mercado editorial está preparada para lançar um livro (de cada escritor) a cada dois anos. Um ano para preparar, lançar e divulgar a obra. Outro para concorrer a prêmios, quem sabe ampliar as vendas. Escritor que aparece com um manuscrito a cada ano é problema. Eu disse para ele que estava aliviada, meu próximo romance envolve pesquisa. Ele falou para eu ficar tranquila: se entregar o romance dentro de três anos, também está ótimo.

Não sei de outro trabalho que conceda prazos tão generosos. Talvez seja diferente com best-sellers – é justo que o sucesso tenha seu ônus –, mas para mediano-sellers como eu, o ponteiro não faz pressão. E que sorte que não faz. Seja por questões financeiras, operacionais ou por respeito ao processo artístico, é uma bênção que o tempo da literatura seja distinto. Adoro pensar que, partir de agora, posso ficar meses só lendo. Ou então só observando as minhas unhas crescerem. E se eu passar de três anos nesse éter, sem drama. Vou mandar um email avisando. E eles vão demorar dias ou semanas para responder.

Giovana Madalosso

Nasceu em Curitiba (PR), em 1975. É autora de A teta racional (livro de contos finalista do Prêmio Literário Biblioteca Nacional), e dos romances Tudo pode ser roubado (finalista do Prêmio São Paulo de Literatura) e Suíte Tóquio.

Publicidade

Leia também

Lima Trindade

Salvador - BA

Por enquanto, apenas nos perguntamos se na hora mais escura haverá socorro, haverá vacina, se o combustível será o suficiente para o motor dos barcos
Luiz Rebinski

Curitiba - PR

Pilar Quintana, autora do elogiado "A cachorra", venceu prêmios em seu país e no exterior com uma escrita simples, mas cheia de significados
Mariana Ianelli

São Paulo - SP

A tristeza e o sofrimento das muitas obras de arte que convivem com a sujeira de declarações execráveis deste governo do absurdo
Rascunho

Curitiba - PR

Trajetória do artista carioca, expoente do modernismo no Brasil, integra a coleção “Contando a arte”, da Global; livro é assinado por Angela Braga-Torres