A roseira

De tempos em tempos, a mãe me estendia um copo plástico com água, era preciso regar a roseira, um prosaico plano para mantê-la viva
Ilustração: Denise Gonçalves
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
01/02/2021
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital) e R$ 12,90 (digital + impresso).

Clique aqui para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Rogério Pereira

Nasceu em Galvão (SC), em 1973. De janeiro de 2011 a abril de 2019, foi diretor da Biblioteca Pública do Paraná. Tem contos publicados no Brasil, Alemanha, França, Peru, Equador e Finlândia. É autor do romance Na escuridão, amanhã (2013), finalista do prêmio São Paulo de Literatura, menção honrosa no Prêmio Casa de Las Américas (Cuba), e traduzido na Colômbia.

Publicidade

Leia também

Noemi Jaffe

São Paulo - SP

Se nos ativermos à tirania dos relógios ou à facilidade das sequências, nossos contos, crônicas e romances vão se assemelhar a relatos factuais
José Castello

Curitiba - PR

Filme dirigido por Gabriela Greeb sobre a autora de “A obscena senhora D” é um espantoso e surpreendente documentário de ficção
Faustino Rodrigues

Belo Horizonte - MG

Em seu primeiro romance, João Saraiva expõe as debilidades dos laços sociais no Brasil contemporâneo, em um livro urgente e atual
Nelson de Oliveira

São Paulo - SP

Como escrever contos, novelas e romances futuristas otimistas, mas com inegável qualidade literária, que não pareçam ingênuos e simplistas?