Não me empurre para os perdidos

“Escrever um romance é também pescar baleias. Precisamos do mesmo esforço físico e fatalmente da mesma incompreensão”
Não me empurre para os perdidos
Maurício Melo Júnior
Cepe
185 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
01/12/2020

“Escrever um romance é também pescar baleias. Precisamos do mesmo esforço físico e fatalmente da mesma incompreensão”, anota o tradutor e escritor F., protagonista desta que é a segunda narrativa de fôlego de Maurício Melo Júnior. Na trama, o olhar de um estrangeiro estudado recai sobre um país ainda marcado pela cultura da escravidão na década de 1920. Com toques metaliterários, a história se desenvolve em três eixos: todas com o objetivo de valorizar a literatura e a leitura, tendo como pano de fundo os contrastes que marcam o Brasil a partir do Recife — município do estado natal de alguns importantes intelectuais nacionais, como Gilberto Freyre. Além disso, o romance flerta — direta e indiretamente — com Franz Kafka. Segundo Carlos Nejar, que assina a orelha da obra, a frase do escritor tcheco utilizada como epígrafe deste Não me empurre para os perdidos traz consigo uma importante chave de leitura: “Tive algumas apreensões no tocante a descobrir se a minha vida seria bastante para a duração de minha existência”.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade

Rascunho