Peça baseada no romance “Morra, amor” estreia na internet

Espetáculo é uma adaptação da obra da escritora argentina Ariana Harwicz e conta a história de uma mulher angustiada no papel de mãe e esposa
A atriz Camila Nhary, na peça “Morra, amor”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
15/02/2021

Nesta quinta-feira (18), às 21h, a atriz Camila Nhary apresenta uma performance teatral baseada no romance Morra, amor, da argentina Ariana Harwicz. O espetáculo tem direção de Karine Teles e José Eduardo Limongi. Contemplada pela Lei Aldir Blanc, a peça é gratuita e será reprisada nos dias 19, 20 e 21, no mesmo horário, no Instagram e YouTube. No dia 20, às 19h30, haverá um bate-papo com a atriz Camila Nhary e diretora Karine Teles, com participação do público, também nas redes sociais.

Em cena, Camila vive uma mulher que tenta se enquadrar num papel que a sociedade espera dela e se vê presa numa vida dita “normal”, na qual ela exerce com angústia o papel de mãe e de esposa. O público é testemunha das confissões e consciência da personagem e acompanha o cruel fluxo de seu pensamento.

Morra, amor é o primeiro livro de Ariana Harwicz publicado no Brasil e faz parte de uma trilogia, composta por A débil mental e Precoz (precoce), este último ainda sem tradução para o português. A escolha de não mexer muito na estrutura romanceada da obra de Harwicz é proposital, para preservar também seu aspecto literário na performance teatral.

“A dramaturgia acompanha o que se passa na cabeça de uma mulher que está se redescobrindo após a maternidade”, conta Camila Nhary. “Existe uma cobrança muito cruel em cima da mulher para que cumpra o papel de mãe e esposa feliz. Tudo o que fuja um pouco disso é socialmente condenado. Muitas mulheres vivem dramas psicológicos e sofrem caladas por vergonha e repressão. Morra, amor lança um olhar sobre essa dor e abre uma possibilidade de reflexão sobre esse tema, que ainda é um tabu na sociedade”, completa.

O primeiro projeto de abordagem de Morra, amor, contemplado pelo edital Cultura Presente nas Redes, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, resultou numa microssérie em cinco episódios, com duração média de 6 minutos cada, que estão disponíveis no Instagram e YouTube.

Ariana Harwicz nasceu em Buenos Aires, na Argentina, em 1977. Graduou-se em Roteiro e Teatro. Em Paris, fez mestrado em Artes Performáticas e Literatura Comparada. Saiu da capital francesa para morar no campo, onde escreveu seu primeiro romance, Morra, amor — lançado em 2012 e indicado ao Booker Prize. Desde então publicou mais três narrativas longas e um livro de ensaios.

MORRA, AMOR
Ariana Harwicz
Trad.: Francesca Angiolillo
Instante
144 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade