Ignácio de Loyola Brandão será homenageado na 63ª edição do Jabuti

O escritor, que tem mais de 40 livros publicados ao longo de 50 anos de carreira, disse que a homenagem reconhece a sua obra e justifica sua história
Ignácio de Loyola Brandão, autor do romance “Zero”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
04/05/2021

Ignácio de Loyola Brandão será a Personalidade Literária do 63º Prêmio Jabuti, organizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL). O escritor, nascido em Araraquara, disse que a homenagem reconhece a sua obra e justifica sua história. Em 2020, a poeta mineira Adélia Prado foi a homenageada.

Aos 84 anos, o autor tem 47 livros publicados. À edição de maio do Rascunho, ele revelou que está trabalhando em um novo romance, chamado Por que Deus não diz claramente o que quer?. O livro sucede o distópico Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra dela, de 2018.

Ao longo de sua carreira, Ignácio recebeu diversos prêmios, entre eles o Jabuti em cinco oportunidades. Jornalista, Ignácio chegou a São Paulo em 1957. Trabalhou no jornal Última Hora até 1966. Depois, editou as revistas Claudia, Realidade, Planeta, Lui, Ciência e vida e Vogue.

Seu primeiro livro foi Depois do Sol, de contos, lançado em 1965. Escreveu em quase todos os gêneros, do romance aos infantojuvenis, passando também pelo teatro e cadernos de viagem. Entre seus livros mais conhecidos estão Zero, Não verás país nenhum, Bebel que a cidade comeu, Cadeiras proibidas e O beijo não vem da boca.

Ignácio também é membro das Academias Paulista e Brasileira de Letras, além de Doutor Honoris Causa pela UNESP Araraquara.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade