Após 20 anos, Editora 34 traduz toda ficção de Dostoiévski

Com “Escritos da casa morta”, todos os 23 livros do escritor russo foram vertidos para o português, sempre em traduções diretas do idioma original
Dostoiévski, autor de “Escritos da casa morta”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram

(13/11/20)

Com a publicação de Escritos da casa morta, a Editora 34 completa o projeto de traduzir para o português toda a obra de ficção do russo Fiódor Dostoiévski. Foram 23 volumes ao longo dos últimos 20 anos, com traduções feitas sempre a partir do idioma original. O que até então era algo raro em se tratando das traduções do autor no Brasil.

O projeto teve início com a edição de Memórias do subsolo, em tradução de Boris Schnaiderman, em setembro de 2000. No ano seguinte, foi publicado o clássico Crime e castigo, em tradução de Paulo Bezerra.

Agora, duas décadas depois, a editora encerra a publicação das obras completas de ficção de Dostoiévski com o livro que marca a sua ressurreição como escritor, após um período de quase dez anos em que esteve preso e exilado na Sibéria. Escritos da casa morta (também conhecido como Recordações da casa dos mortos), publicado entre 1860 e 1862, parte de um registro antropológico da vida e dos costumes dos presos comuns, encarcerados com o escritor na fortaleza de Omsk, para empreender um mergulho profundo na psicologia do ser humano.

O livro foi traduzido diretamente do russo por Paulo Bezerra, que também assina a apresentação do volume, e inclui um posfácio de Konstantin Motchulski, um dos principais biógrafos de Dostoiévski, uma carta em que o escritor defende seu livro da censura e dois depoimentos de época sobre o período de encarceramento de Dostoiévski, além da série completa de 43 xilogravuras realizadas por Oswaldo Goeldi em 1945.

Confira a lista com todos os livros de ficção de Dostoiévski lançados pela Editora 34:

Gente pobre (1846), tradução de Fátima Bianchi [2009]
O duplo (1846), tradução de Paulo Bezerra [2011]
A senhoria (1847), tradução de Fátima Bianchi [2006]
Noites brancas (1848), tradução de Nivaldo dos Santos [2005]
Niétotchka Niezvânova (1849), tradução de Boris Schnaiderman [2002]
Um pequeno herói (1857), tradução de Fátima Bianchi [2015]
A aldeia de Stepántchikovo e seus habitantes (1859), tradução de Lucas Simone [2012]
Dois sonhos: O sonho do titio (1859) e Sonhos de Petersburgo em verso e prosa (1861), tradução de Paulo Bezerra [2012]
Humilhados e ofendidos (1861), tradução de Fátima Bianchi [2018]
Escritos da casa morta (1862), tradução de Paulo Bezerra [2020]
Uma história desagradável (1862), tradução de Priscila marques [2016]
Memórias do subsolo (1864), tradução de Boris Schnaiderman [2000]
O crocodilo (1865) e Notas de inverno sobre impressões de verão(1863), tradução de Boris Schnaiderman [2000]
Crime e castigo (1866), tradução de Paulo Bezerra [2001]
Um jogador (1867), tradução de Boris Schnaiderman [2004]
O idiota (1869), tradução de Paulo Bezerra [2002]
O eterno marido (1870), tradução de Boris Schnaiderman [2003]
Os demônios (1872), tradução de Paulo Bezerra [2004]
Bobók (1873), tradução de Paulo Bezerra [2012]
O adolescente (1875), tradução de Paulo Bezerra [2015]
Duas narrativas fantásticas: A dócil (1876) e O sonho de um homem ridículo (1877), tradução de Vadim Nikitin [2003]
Os irmãos Karamázov (1880), tradução de Paulo Bezerra [2008]
Contos reunidos, vários tradutores [2017]

Escritos da casa morta
Fiódor Dostoiévski
Trad.: Paulo Bezerra
Editora 34
408 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade

Leia também

Rascunho

Curitiba - PR

O livro, uma adaptação do roteiro de “Era uma vez em… Hollywood”, mais recente longa-metragem do cineasta americano, será publicado no Brasil pela Intrínseca
Rascunho

Curitiba - PR

Em seu livro, Gustav Mayer passa pelos principais eventos da vida de um dos criadores do socialismo científico, que em 2020 tem seu bicentenário de nascimento comemorado
Tiago Germano

Porto Alegre - RS

Como Norwich, pequena cidade do interior da Inglaterra, tornou-se um polo mundial da literatura revelando escritores premiados com o Pulitzer, Booker Prize e até o Nobel
Rascunho

Curitiba - PR

A autora da “Tetralogia napolitana” divulgou uma lista com seus 40 livros favoritos de escritoras de todo o mundo