Adriana Lisboa volta à poesia com “O vivo”

Livro será lançado no dia 1º de julho, em evento que reúne a poeta Claudia Roquette-Pinto e a professora de literatura da UFF Stefania Chiarelli
A poeta e romancista Adriana Lisboa
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
14/06/2021

Quarto volume de poesia da romancista, contista, tradutora e autora de literatura infantojuvenil Adriana Lisboa, O vivo será lançado no dia 1º de julho, às 19h, em evento transmitido pela página do Facebook da Relicário, que edita a obra. Participam da conversa com  a autora, a também poeta Claudia Roquette-Pinto, que assina o prefácio do livro, e a professora de literatura da Universidade Federal Fluminense (UFF) Stefania Chiarelli.

De inclinação metafísica e metalinguística, O vivo reúne poemas que tateiam sutilezas e presenças comuns que compõem o mundo das coisas vivas e que, sob a lente da poeta, revelam-se em sua estranheza, como se vistos ou ditos pela primeira vez.

A poeta Claudia Roquette-Pinto ressalta, no prefácio da obra, que “os reinos animal (répteis, vagalumes, aves, moscas, rãs, porcos, abelhas), vegetal (belas emílias, cravos, rosas, magnólias, amarantos) e mineral (basalto sanguíneo) se tornam o motivo e os interlocutores” da autora. Para Claudia, o conceito e a linguagem de Adriana no livro interconectam “todas as formas vivas, sua igualdade de protagonismo, sua interdependência”.

Adriana Lisboa nasceu no Rio de Janeiro, em 1970. Publicou, entre outros livros, os romances Sinfonia em branco (Prêmio José Saramago), Um beijo de colombina, Rakushisha, Azul corvo (um dos livros do ano do jornal inglês The Independent) e Hanói, além dos contos de O sucesso e os poemas de Parte da paisagem.

Publicou também algumas obras para crianças, como Língua de trapos (prêmio de autor revelação da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil) e Um rei sem majestade. Seus livros foram traduzidos em mais de 20 países.

O vivo
Adriana Lisboa
Relicário
84 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade