O coadjuvante é uma questão central

A incansável busca do coadjuvante ideal pelos meandros da história quando ele está diante dos olhos
Maria Quitéria, a soldada baiana que se disfarçou de homem para lutar contra os portugueses
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
08/08/2021

Há quase trinta anos, eu e Marcus Aurelius Pimenta fizemos O Chalaça, um romance histórico sobre o secretário particular de D. Pedro I (eu assino o livro, mas a dedicatória diz claramente: “Agradeço ao meu amigo Marcus Aurelius Pimenta, autor de tantos palpites e sugestões que, fosse eu honesto, lhe creditaria metade desta obra.”).

Pois bem, depois de tanto tempo decidimos voltar ao tema da independência do Brasil. Mas desta vez queríamos contá-la de outro jeito. Achamos necessário falar sobre as guerras que confirmaram o grito, sempre esquecidas aqui no sul maravilha. É como se Bahia, Maranhão, Pará e Piauí tivessem escutado o brado forte e retumbante do Ipiranga e aceitado de pronto a nova ordem. Não foi assim. Mas raramente se fala que o “Independência ou morte” gerou, realmente, muitas mortes.

Escolher nossa personagem principal foi fácil. Maria Quitéria, a soldada baiana que se disfarçou de homem para lutar contra os portugueses, era uma escolha sem concorrente. Trata-se de uma espécie de Mulan, a heroína da Disney, só que com uma história ainda melhor e em versão para adultos.

Quitéria não é muito conhecida, o que é mais uma vantagem, e sua vida é um romance perfeito. Há lá a questão com o pai, amores, batalhas e o subtema da emancipação da mulher. Assim o livro não seria apenas sobre a independência do Brasil, mas também sobre a de Quitéria e das mulheres.

Porém, não queríamos contar apenas a guerra na Bahia. Também desejávamos incluir as guerras mais ao Norte. Então decidimos que nosso enredo seria o seguinte: numa sala de espera do Palácio Imperial, Quitéria e um outro personagem estariam esperando para falar com D. Pedro (ou receber a Ordem do Cruzeiro). E ambos contariam suas histórias.

A questão era quem seria este seu coadjuvante.

Nossa primeira ideia foi Thomas Cochrane, o mercenário escocês que realmente recebeu a Ordem do Cruzeiro e virou nome de rua em várias de nossas cidades. Lemos um bocado sobre ele e vimos que sua vida tinha sido espetacular. Porém, as melhores histórias de Cochrane aconteceram fora do Brasil (no Chile e na Inglaterra). E, mesmo que ele tenha sido fundamental nas lutas na Bahia e no Maranhão, não teria como contar o que aconteceu no Pará e no Piauí.

Acabamos substituindo Cochrane por outro personagem: John Pascoe Grenfell (que também recebeu a Ordem do Cruzeiro), uma espécie de imediato de Cochrane, que fez as mesmas lutas que ele e ainda foi para o Pará, onde ocorreu A tragédia do brigue Palhaço (um fato que nunca estudei na escola mas que merece capítulo especial em qualquer livro de história decente).

Lemos bastante sobre Grenfell e ele nos pareceu interessante. Mas teríamos que esquecer do Piauí e nada indicava que ele tivesse uma personalidade cativante. Como não nos apaixonamos por Grenfell, decidimos trocá-lo. E acabamos caindo nos braços de Maria Graham, uma britânica que teria sido preceptora, por alguns meses, da primeira filha de Pedro e Leopoldina.

Lemos muito sobre ela, até obras inglesas, e fizemos uma primeira versão do livro. Mas, mais uma vez, não deu certo. Ela tinha a vantagem de ser mulher e independente, assim como Quitéria. E poderia contar as outras guerras por frequentar o palácio. Porém, as coisas interessantes de sua vida aconteceram longe do Brasil. E assim ela ficou uma personagem um tanto fria, que não teria se envolvido emocionalmente com o país. Mas o pior é que não estava sendo divertido escrever as partes de Maria Graham, o que geralmente significa que também não seria divertido lê-las.

Então nos esforçamos mais um pouco e finalmente achamos o ouvido perfeito para Maria Quitéria. Seu proprietário tinha uma personalidade muito interessante, sabia tudo sobre as outras guerras e estaria totalmente envolvido emocionalmente com o país e a questão da independência. Era uma escolha perfeita. Até nos perguntamos como não pensamos nele logo de cara. Seu nome é Francisco Gomes da Silva. Mas ele é mais conhecido como Chalaça.

Às vezes não vemos que a melhor solução está bem na nossa cara, ou bem na nossa capa.

José Roberto Torero

Escritor e roteirista, Torero nasceu em Santos (SP), em 1963. É autor de O chalaça (prêmio Jabuti na categoria romance em 1995) e Os vermes, entre outros. Também é autor de livros de não ficção e de literatura infantojuvenil. Ao lado de Paulo Halm, assinou o roteiro do longa-metragem Pequeno dicionário amoroso.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade