A folha mágica

Em sala de aula, Alfredo Bosi não escreveu nada na lousa e não ficou em pé; apenas olhava de soslaio para a folha sobre a mesa
Alfredo Bosi, autor de “Literatura e resistência”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
13/06/2021

Há aproximadamente um mês, morreu o professor Alfredo Bosi, de covid. Acho que o que vou contar aconteceu na minha primeira aula com ele, que já era o mais famoso professor da faculdade de Letras.

A sala estava lotada.

Ele entra segurando só uma folha de papel, senta na sua cadeira, põe a folha na mesa à sua frente e começa a falar.

Não escreve nada na lousa e não fica em pé, mas todos prestam atenção total, porque o raciocínio vai longe e rápido, mas sendo claro e preciso, fazendo um encadeamento perfeito.

Se não me engano, ele começou falando em Gregório de Matos e acabou em Petrarca (aliás, minha impressão é que todas suas aulas sempre acabavam no Petrarca).

Ele fazia citações e dava indicações bibliográficas sem consultar nenhum livro, apenas dando uma olhadinha na folha de papel de vez em quando. E a dobrava e desdobrava várias vezes, como se em cada canto houvesse um pedaço da aula.

Eu pensava: “esse cara é um craque nas anotações. Como consegue fazer todas essas informações caberem só numa folhinha? Será que escreve apenas umas palavras-chave? Será que usa ideogramas chineses? Letras microscópicas?”.

Então, quando acabou a aula, ele saiu da sala e deixou a folha de papel na mesa. Imediatamente pensei: “Arrá, vou descobrir o segredo dele”.

Outros alunos tiveram a mesma ideia e todos fomos quase correndo até a mesa (era preciso ser discreto).

Na minha memória, fui o primeiro a pegar o papel. Mas ela gosta de inventar coisas. De qualquer forma, lembro que senti como se estivesse prestes a descobrir o grande mistério do Bosi.

E descobri mesmo.

A folha estava em branco.

José Roberto Torero

Escritor e roteirista, Torero nasceu em Santos (SP), em 1963. É autor de O chalaça (prêmio Jabuti na categoria romance em 1995) e Os vermes, entre outros. Também é autor de livros de não ficção e de literatura infantojuvenil. Ao lado de Paulo Halm, assinou o roteiro do longa-metragem Pequeno dicionário amoroso.

Publicidade