a literatura na poltrona

José Castello

Curitiba - PR

Se praticado só com pragmatismo e objetividade, o jornalismo não passa de uma máquina que fatia e regula a realidade
José Castello

Curitiba - PR

As sucessivas mortes compõem não só a vida, mas os personagens de Sidney Rocha
José Castello

Curitiba - PR

Sentimos, em um momento ou outro, no limite de nossas forças; a exaustão é o sentimento do presente
José Castello

Curitiba - PR

Em vez de buscar o peso do sucesso, Lucinda Nogueira Persona escreve conectada à fugacidade do instante
José Castello

Curitiba - PR

Contra a brutalidade do real, o escritor deve apostar no sonho e até no irreal
José Castello

Curitiba - PR

A leitura de "Moby Dick" me ensinou que as atmosferas mais sedutoras escondem, muitas vezes, “as garras mais cruéis”
José Castello

Curitiba - PR

O ensaio inclui, com satisfação, e sem qualquer repulsa, o erro
José Castello

Curitiba - PR

Sinais apavorantes surgem de todos os lados, pois a paranoia é, antes de tudo, plástica
José Castello

Curitiba - PR

O riso e o humor são, em geral, tratados com desdém pelos intelectuais e assemelhados
José Castello

Curitiba - PR

A experiência da ficção é bela, mas arruína uma série de noções elementares a que nos apegamos para sustentar a realidade