Merecido descanso

Por ROGÉRIO PEREIRA

“Não acho que uma época que tem J. M. Coetzee, Javier Marías, Philip Roth e Lobo Antunes permita que se diga que o romance está morto.”