Vertigem do chão

Em "Vertigem do chão", a narrativa deixa de ter somente Curitiba como cenário para também ganhar as ruas da cidade holandesa de Utrecht
Vertigem do chão
Cezar Tridapalli
Moinhos
305 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
02/04/2020

Depois de Pequena biografia de desejos (2011) e O beijo de Schiller (2014), o curitibano Cezar Tridapalli vem com o que considera seu romance mais ousado. Em Vertigem do chão, a narrativa deixa de ter somente a capital paranaense como cenário para também ganhar as ruas da cidade holandesa de Utrecht. Para essa expansão do universo ficcional, que traz inúmeros personagens, cenários e suas relações, Tridapalli precisou de cerca de 680 anotações e desenvolveu uma trama pautada em corpo e território, trazendo um bailarino brasileiro (Leonel) e um atleta holandês (Stefan) no centro da história. A insatisfação de ambos para com seus países de origem é o que dá corpo à obra, abrindo espaço para reflexões sobre a idealização e suas armadilhas, no que o leitor acompanha — simultaneamente, mas em espaços diferentes — as trajetórias dos personagens. Segundo o escritor e professor da Universidade Federal do Paraná Caetano Galindo, este é um livro “para quem quer mais e quer riscos; quer atrito: novidade. Um livro para quem acha que o romance brasileiro, hoje, pode ainda ser outro”.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade