Velhos

Como o título sugere, as narrativas — em primeira ou terceira pessoa — capturam nuances da vida de personagens em idade avançada
Velhos
Alê Motta
Reformatório
136 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram

Após estrear na literatura com os microcontos de Interrompidos, em 2017, a carioca Alê Motta volta às formas breves com as 30 histórias de Velhos. Como o título sugere, as narrativas — em primeira ou terceira pessoa — capturam nuances da vida de personagens em idade avançada, sejam amarguradas ou ainda cheias de disposição, felizes ou atormentadas por acontecimentos do passado. Ao investigar de perto o cotidiano e o interior de tipos tão variados, com uma prosa econômica e que resvala no olhar de uma cronista a captar o cotidiano comezinho que lhe cerca, a autora entrega um quadro complexo da condição humana, inspirando — e discutindo sobre — os mais variados sentimentos que constituem a vida. “Velhos, como toda boa literatura, fala ao nosso universo íntimo, e nos lembra a finitude de nossa própria existência”, registra na orelha da obra o baiano Itamar Vieira Junior, vencedor do Prêmio LeYa pelo romance Torto arado (2018).

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade

Leia também

Rascunho

Curitiba - PR

Chamado de CelebraLetras, o evento vai promover bate-papos, dicas de livros, venda de exemplares autografados, lives e podcasts
Rascunho

Curitiba - PR

Fábula sobre o ciclo da cigarra, livro quer instigar em adultos e crianças uma reflexão a respeito da natureza e da maneira como nos relacionamos com ela
Vivian Schlesinger

São Paulo - SP

“Quinquilharias e recordações” mostra o contexto histórico em que nasceu e cresceu a polonesa Wislawa Szymborska, ganhadora do Nobel de Literatura
Giovana Madalosso

São Paulo - SP

Sempre me orgulhei de ser honesta com a minha filha, desde quando ela nem sabia o que era a palavra honestidade