Tempo de espalhar pedras

O pessimismo da modernidade se evidencia nas páginas deste romance, eleito o Livro do Ano pelo Prêmio São Paulo de Literatura de 2015
Tempo de espalhar pedras
Estevão Azevedo
Record
236 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
29/08/2018

O pessimismo da modernidade se evidencia nas páginas deste romance, eleito o Livro do Ano pelo Prêmio São Paulo de Literatura de 2015. Em uma região diamantífera anônima, talvez situada no Brasil, uma comunidade de mineiros, em condição de extrema miséria, luta pelas últimas pedras preciosas da região. Liderados por um coronel sádico e seus capangas, jovens e velhos seguem trabalhando em situação desumana, movidos pela fome e por esperanças vagas, reféns de uma estrutura social arcaica e injusta.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade