Calma, estamos perdidos

Se o homem criou as metrópoles para se sentir seguro e situado, a desconexão com a natureza e suas raízes parecem cobrar um preço
Calma, estamos perdidos
Luís Henrique Pellanda
Positivo
224 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
01/06/2020

Se o homem criou as metrópoles para se sentir seguro e situado, a desconexão com a natureza e suas raízes parecem cobrar um preço. Na reunião de 58 crônicas urbanas Calma, estamos perdidos, o curitibano Luís Henrique Pellanda explora esse estranhamento perpétuo que o ser humano carrega no peito — mesmo tendo dominado o mundo, parece deslocado. Ao exercer a alteridade, o autor busca uma radiografia da capital paranaense e seus habitantes.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade

Leia também

José Leonardo Sousa Buzelli

Campinas - SP

Pelo ineditismo e por suas muitas qualidades, “Fragmentos de Aristófanes”, de Karen Amaral Sacconi, deveria ser adotado em escolas e universidades
Luiz Ruffato

São Paulo - SP

Um episódio verídico ocorrido nos tempos em que os bichos falavam e liam jornais e os jornais influenciavam a opinião pública
Rascunho

Curitiba - PR

Artigos foram publicados no diário da “Liga dos Comunistas, Nova Gazeta Renana”, no período da Revolução Alemã e da contrarrevolução na Europa
Carolina Vigna

São Paulo - SP

Aldous Huxley viveu e morreu como quis e, para mim, essa é a mais importante medida de uma vida plena. É meu objetivo, meu norte