Poemas de John Keats ganham reedição

Iluminuras publica nova edição da coletânea “Nas invisíveis asas da poesia”, que reúne alguns dos melhores versos do autor inglês
Detalhe do retrato de John Keats por Joseph Severn (1819)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
22/02/2021

A Iluminuras relançou o livro Nas invisíveis asas da poesia, de John Keats (1795-1821). A coletânea de poemas, traduzida por Alberto Marsicano e John Milton, apresenta alguns dos trabalhos mais célebres do autor inglês — como Ode a um rouxinol, No mar e Escrito no cimo de Ben Nevis, entre outros.

Nascido em 1795, Keats morreu de tuberculose aos 25 anos. Apesar da curta trajetória, é comumente identificado como um dos mais importantes poetas românticos de língua inglesa.

Integrante da que normalmente é identificada como segunda geração do movimento romântico, foi contemporâneo de gente do calibre de Lord Byron e Shelley.

Nas invisíveis asas da poesia
John Keats
Trad.: Alberto Marsicano e John Milton
Iluminuras
96 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade

Leia também

Luiz Paulo Faccioli

Porto Alegre - RS

"Solução de dois estados", de Michel Laub, utiliza a história de irmãos com visões opostas de mundo para discutir a polarização do Brasil contemporâneo
Bruna Meneguetti

São Paulo - SP

Em seu mais recente romance, "Nada digo de ti, que em ti não veja", Eliana Alves Cruz inova ao narrar a vida de uma mulher trans em plena Inquisição
Rascunho

Curitiba - PR

“Jesus Kid” será lançado pela Companhia das Letras em março e marca a publicação de todos os romances do escritor paulistano pela editora
Marcos Caetano

Orlando – EUA

É bem possível que a memória afetiva esteja me traindo, mas vocês não acham que já fomos melhores ao lidar com as nossas divergências?