Obra do sérvio Danilo Kiš volta a ser publicada no Brasil

O livro “Homo poeticus” reúne entrevistas e ensaios em que o autor aborda temas como nacionalismo, censura e, sobretudo, literatura
Danilo Kiš, autor de “Homo poeticus”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
29/06/2021

Considerado por Milan Kundera o maior escritor de sua geração, Danilo Kiš volta a ser publicado no Brasil após um longo hiato. Seu livro Homo poeticus, uma reunião de ensaios e entrevistas, ganha edição pela Âyiné, com tradução direta do servo-croata feita por Aleksandar Jovanović.

Nascido na antiga Iugoslávia, em 1935, Danilo Kiš perdeu parte de sua família nos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. A morte de seu pai em Auschwitz teve grande impacto em sua literatura, principalmente na construção de personagens em seus romances Amarguras precoces, Clepsidra e Jardim, cinzas, o último publicado no Brasil, em 1986.

Homo poeticus reúne textos que abordam nacionalismo, censura e, sobretudo, literatura. Kiš dedica páginas a Jorge Luis Borges, Gustave Flaubert, Vladimir Nabokov, Marquês de Sade, entre outros nomes, além de elencar Conselhos a um jovem escritor.

Em um dos ensaios que compõem a edição, Censura/autocensura — publicado em 1985 —, o autor discorre sobre como a censura procura “destacar sua própria legitimidade ao mesmo tempo que busca camuflar sua própria negação” e a respeito da natureza da autocensura, que ele caracteriza como a “leitura do próprio texto com olhos alheios”.

A temática do nacionalismo se faz presente em Variações sobre temas da Europa Central e em entrevistas. Ao todo, são nove ensaios e 17 entrevistas, incluindo uma concedida a Leda Tenório da Motta em novembro de 1986, publicada no caderno Folhetim, da Folha de S.Paulo.

Durante os anos que passou na França, Kiš se dedicou à escrita e tradução, além de ter sido professor de literatura na universidade de Bordeaux. Seus livros foram exaltados por grandes nomes da literatura mundial, como Joseph Brodsky e Susan Sontag. A ensaísta americana foi responsável pela edição de Homo poeticus nos EUA. Kiš morreu em outubro de 1989, aos 54 anos.

Homo poeticus
Danilo Kiš
Trad.: Aleksandar Jovanović
308 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade