Memórias dos irmãos Goncourt ganham tradução

Em “Diário — Memórias da vida literária”, a dupla de devotos das letras mostra os bastidores de um dos períodos mais férteis da ficção
Os irmão Goncourt, autores de “Diário — Memórias da vida literária”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
08/06/2021

Está em pré-venda pela Carambaia o livro Diário — Memórias da vida literária, assinado pelos irmãos Edmond e Jules de Goncourt. A edição em português, traduzida por Jorge Bastos, reúne os melhores trechos das 4,5 mil páginas deixadas pelos autores. 

Os homens que dão nome ao prêmio literário de maior prestígio da França ajudaram a fundar um dos períodos mais férteis da história da literatura, tendo convivido com nomes como Flaubert, Émile Zola, Victor Hugo, Charles Baudelaire e os Dumas, pai e filho.

As memórias, que vão de 1860 a 1896, trazem discussões estéticas e evidenciam o tom implacável dos irmãos. Para o autor de Madame Bovary, por exemplo, deixam a seguinte definição: “tem um espírito grosseirão e empastado, como o corpo”.

Aliados aos comentários espinhosos a respeito de seus pares, os irmãos — autores de romances, peças de teatro e estudos pouco conhecidos — tinham a si mesmos em alta conta. “Os críticos podem falar à vontade de Zola, mas não podem negar que meu irmão e eu tenhamos sido os são João Batista da sensibilidade moderna”, anota Edmond.

Diário — Memórias da vida literária
Edmond e Jules de Goncourt
Trad.: Jorge Bastos
Carambaia
432 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade