Existencialismo e política marcam peça de Oduvaldo Vianna Filho

Com fundo político, história de “Mão na luva” foi escrita em 1966 e acompanha os dramas de um casal carioca de classe média
Oduvaldo Vianna Filho, autor de “Mão na luva”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
23/06/2021

Na peça Mão na luva, escrita em 1966 e lançada agora pela Temporal, o dramaturgo Oduvaldo Vianna Filho (1936-1974) narra os dramas de um casal carioca de classe média. A partir das discussões entre Ele (Lúcio) e Ela (Sílvia), nota-se toda complexidade que envolve a relação dos dois.

Devido ao momento em que a narrativa foi escrita, as questões políticas aparecem com força. Um dos problemas discutidos pelo casal é o fato de Ele ter abandonado a militância de esquerda para se entregar aos contextos sociais vigentes.

Apesar do pano de fundo bem marcado pela época, o livro discute temas que seguem contemporâneos, como o machismo, o papel da mulher na família e a violência doméstica. De acordo com a pesquisadora Rosangela Patriota, da Universidade Mackenzie, “Vianna Filho estetizou a política”.

O autor nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 1936. Ligado à militância política desde jovem, foi um dos organizadores do Teatro Paulista do Estudante. Papa Highirte e Rasga coração são dois de seus trabalhos que foram censurados pela ditadura militar à época.

Mão na luva
Oduvaldo Vianna Filho
Org.: Maria Sílvia Betti
Temporal
132 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade