Companhia das Letras recolhe livro infantil após críticas de racismo

“Abecê da liberdade”, de José Roberto Torero, cronista do “Rascunho”, e Marcus Aurelius Pimenta conta a história do advogado e abolicionista Luiz Gama
Detalhe da capa de “Abecê da Liberdade”, com ilustrações de Edu Oliveira
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
12/09/2021

A Companhia das Letras decidiu retirar do mercado e interromper o fornecimento do livro infantil Abecê da liberdade, de José Roberto Torero, cronista do Rascunho, e Marcus Aurelius Pimenta.

A decisão foi tomada após críticas de leitores. Na obra, o protagonista é o garoto baiano Luizinho, que vive em Salvador, no início do século 19. Sua mãe, uma negra africana que chegou ao Brasil como escrava, se chamava Luiza Mahin. O livro narra a história do garoto até ele se transformar em Luiz Gama, advogado e abolicionista que lutou pela libertação de centenas de escravos.

No entanto, algumas passagens do livro trazem crianças negras no porão de um navio negreiro pulando corda com correntes e brincando de escravos de Jó em uma viagem rumo à escravidão. Em sua crônica neste domingo (12), José Roberto Torero fala sobre a dificuldade de escrever para crianças.

Em nota divulgada no sábado (11), a Companhia das Letras disse “lamentar profundamente que esse ou qualquer conteúdo publicado pela editora tenha causado dor e/ou constrangimento aos leitores ou leitoras”.

“Assumimos nossa falha no processo de reimpressão do livro, que foi feito automaticamente e sem uma releitura interna, e estamos em conversa com os autores para a necessária e ampla revisão.” O livro publicado originalmente em 2015 pelo selo Alfaguara Infantil, da editora Objetiva, e incorporado, na reimpressão, ao selo Companhia das Letrinhas.

“De toda maneira, como consideramos a crítica correta e oportuna, imediatamente disparamos o processo de recolhimento dos livros do mercado e interrompemos o fornecimento de nosso estoque atual. Esta edição agora está fora de mercado e não voltará a ser comercializada.”

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade