As incertezas regem o novo livro de Carlos Machado

Em “Por acaso memória”, autor curitibano utiliza a história de uma família para mostrar como as lembranças podem ser traiçoeiras
Carlos Machado, autor de “Por acaso memória”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
10/06/2021

A natureza traiçoeira das lembranças está no centro do novo livro de Carlos Machado, Por acaso memória. A obra, que será editada pela Arte & Letras, está em processo de financiamento coletivo pelo Catarse.

Na narrativa fragmentada, embalada pelas histórias dos personagens Olavo, Teresa e Joana, ficção e fatos históricos se entrelaçam. O Plano Collor, a Geada Negra de 1975 e a imigração italiana e japonesa no Brasil são alguns acontecimentos revisitados.

“Se a memória é tergiversante, o aqui narrado segue esta linha. O autor quebra a linearidade, usando camadas de tempo e espaço para contar o périplo de Olavo e Teresa desde a queimada da lavoura de café, o ouro verde, no norte do Paraná, até o impeachment de certo presidente”, anota Paulo Venturelli no texto de apresentação.

Carlos Machado nasceu em Curitiba (PR), em 1977. É escritor, músico e professor. Era o vento (2019), Esquina da minha rua (2018) e Passeios (2016) são alguns de seus livros publicados.

Por acaso memória
Carlos Machado
Arte & Letra
80 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade