Poemas de Eavan Boland

Leia os poemas traduzidos "Poesia irlandesa", "Mulher do bairro: mais um detalhe", "É ainda a mesma coisa?"
A poeta irlandesa Eavan Boland
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
07/12/2015
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital), R$ 12,90 (digital + impresso) e R$ 139,90 (digital + impresso anual).

Clique AQUI para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Eavan Boland (1944)
Uma das vozes mais representativas da atual poesia irlandesa, é dona de uma obra que vai muito além das fronteiras de seu país natal. Talvez por ser filha de diplomata, com infância e adolescência passadas em Londres e nos Estados Unidos, sua visão a respeito da Irlanda é, ao mesmo tempo, local e cosmopolita, aquela de uma nativa (herdeira de toda a gigantesca tradição literária daquele pequeno país) e de alguém que consegue “olhar de fora”. Premiada e prestigiada, a poesia de Boland circula por temas como as mulheres e seus às vezes irreconciliáveis papéis, as questões do amor e suas dificuldades, as pequenas coisas do cotidiano e, também, pela história e pela mitologia irlandesas. Ela atualmente divide seu tempo entre Dublin, onde oficialmente mora, e Stanford, na Califórnia, onde ensina.

André Caramuru Aubert

Nasceu em 1961, São Paulo (SP). É historiador formado pela USP, editor, tradutor e escritor. Autor de Outubro/DezembroA vida nas montanhas e Cemitérios, entre outros.

Publicidade