Poemas de Jane Kenyon

Leia os poemas traduzidos "Diferente", "A visita", "Dois dias sozinha", "Chuva em agosto depois do feno ceifado", "Últimos dias", "A esposa doente"
Jane Kenyon, poeta americana
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
24/12/2018
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital) e R$ 12,90 (digital + impresso).

Clique aqui para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Jane Kenyon
(1947-1995) foi aluna e, depois, esposa de Donald Hall (Rascunho #180[1]). Aclamada pela crítica e publicando em revistas como The New Yorker e The Atlantic, ela caminhava para se tornar uma das grandes poetas líricas de nossos tempos, quando uma leucemia fulminante a matou, precocemente, aos 47 anos de idade. Dois grandes temas predominam na poesia de Kenyon: a vida no campo, pois, assim que se casou com Hall eles foram viver na velha fazenda dos antepassados dele, em New Hampshire; e a morte (do pai, da mãe, de amigos, de Hall, que teve um câncer com prognósticos terríveis, mas acabou sobrevivendo e, finalmente, a dela própria, escritos entre o diagnóstico da doença e o fim).

André Caramuru Aubert

Nasceu em 1961, São Paulo (SP). É historiador formado pela USP, editor, tradutor e escritor. Autor de Outubro/DezembroA vida nas montanhas e Cemitérios, entre outros.

Publicidade

Leia também

Rascunho

Curitiba - PR

No ano em que lançou o primeiro volume de suas memórias, “Uma terra prometida”, ex-presidente sugere alguns livros que mais o marcaram
Rafael Zacca

Rio de Janeiro - RJ

"Canções de atormentar" insere Angélica Freitas na tradição de artistas que interpretam o Brasil, com versos sobre um país cada vez mais inóspito
Rafael Zacca

Rio de Janeiro - RJ

Em novo livro, repleto de “musicalidade”, Angélica Freitas, que vive na Alemanha, não perde de vista os problemas sociais e políticos que assolam o Brasil
Rascunho

Curitiba - PR

Itamar Vieira Junior, com o romance “Torto arado”, e Cida Pedrosa, com a coletânea de poemas “Solo para vialejo”, foram alguns dos destaques do ano