Tudo deve ser dito outra vez

Atrocidades narradas pelo italiano Curzio Malaparte e o minucioso trabalho jornalístico da francesa Géraldine Schwarz evidenciam os horrores do totalitarismo
Ilustração: Denise Gonçalves
01/06/2022
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 9,90 (digital), R$ 15,90 (digital + impresso) e R$ 139,90 (digital + impresso anual).

Clique AQUI para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Kaputt
Curzio Malaparte
Trad.: Federico Carotti
Alfaguara
512 págs.
Os amnésicos
Géraldine Schwarz
Trad.: Ana Martini
Âyiné
396 págs.
Curzio Malaparte
Pseudônimo de Kurt Erich Suckert. Nasceu em Prato (Itália), em 1898. Foi escritor, jornalista, dramaturgo, cineasta e diplomata. Suas principais obras são Kaputt (1944) e A pele (1949). Morreu em Roma, em 1957.
Vivian Schlesinger

Escritora, tradutora e mediadora de debates literários. Autora do livro de poemas Papaya na madrugada.

Rascunho