O peso do cotidiano

Nos contos de Como se mata uma ilha, Priscila Pasko monta e interliga enredos detalhistas, explorando experiências múltiplas de ser-mulher
Priscila Pasko, autora de “Como se mata uma ilha”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital) e R$ 12,90 (digital + impresso).

Clique aqui para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Como se mata uma ilha
Priscila Pasko
Zouk
79 págs.
Priscila Pasko
Nasceu em 1983, em Porto Alegre (RS). Como se mata uma ilha é o livro de estreia da jornalista que, entre 2015 e 2018, assinou o blog Veredas, de divulgação e discussão da literatura feita por mulheres. Antes de publicar a própria coletânea, participou da obra Novas contistas da literatura brasileira, também editado pela Zouk, em 2018.

Fábio Lucas

Nasceu no Recife (PE), em 1970. Foi repórter e editor de opinião da Gazeta Mercantil Distrito Federal, colaborador da revista Continente, colunista e editorialista do Jornal do Commercio (PE). Também assinou a coluna Marcatexto, no portal NE10.

Publicidade

Leia também

Rascunho

Curitiba - PR

Chamado de CelebraLetras, o evento vai promover bate-papos, dicas de livros, venda de exemplares autografados, lives e podcasts
Rascunho

Curitiba - PR

Fábula sobre o ciclo da cigarra, livro quer instigar em adultos e crianças uma reflexão a respeito da natureza e da maneira como nos relacionamos com ela
Vivian Schlesinger

São Paulo - SP

“Quinquilharias e recordações” mostra o contexto histórico em que nasceu e cresceu a polonesa Wislawa Szymborska, ganhadora do Nobel de Literatura
Giovana Madalosso

São Paulo - SP

Sempre me orgulhei de ser honesta com a minha filha, desde quando ela nem sabia o que era a palavra honestidade