O caótico mundo de Hilda Hilst

Em "A obscena senhora D", autora mistura gêneros literários para dar voz a uma protagonista marcada pela tensão entre sacralidade e sexualidade
Ilustração: Hilda Hilst por Fabio Abreu
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
02/01/2021
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital) e R$ 12,90 (digital + impresso).

Clique aqui para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

A obscena senhora D
Hilda Hilst
Companhia das Letras
80 págs.
Hilda Hilst
(1930-2004) estreou em 1950 com o livro de poemas Presságio. Publicou mais de 40 títulos entre poesia, teatro, ficção e crônica. Na década de 1990, reagindo à pouca difusão de sua obra, passou a dedicar-se à vertente pornográfica — que resultou na “tetralogia obscena”. Recebeu, entre outras honrarias, o PEN Clube de São Paulo, o grande prêmio da crítica pelo conjunto da obra da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) e o Jabuti.

Marcos Hidemi de Lima

É professor de Literatura Brasileira na UTFPR de Pato Branco (PR). Autor de Dança de palavras e sonsMulheres de GracilianoVárias tessituras. Escreve crônicas semanais para o Diário do Sudoeste, jornal de Pato Branco.

Publicidade

Leia também

Carlos Alberto Gianotti

Porto Alegre - RS

A partir de ideias de Schelling, George Steiner elabora um ensaio para refletir sobre o véu de pesar que envolve a intelectualidade humana
André Luiz Pinto

Leia os poemas "Cabra", "Luneta" e "Nada mais terrível que criança"
Gabriel Amaral

Leia os poemas "A emoção do palco", "Casa de Jorge Amado" e "A descoberta da escrita"
Calila das Mercês

Brasília - DF

Leia os poemas "sem titulo"