Duas tessituras opostas e tão semelhantes

"Pedro Páramo", do mexicano Juan Rulfo, e "Morte na água", do japonês Kenzaburo Oe, entrecruzam vivos e mortos, memória e realidade
Juan Rulfo, autor de “Pedro Páramo”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
02/06/2021
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital), R$ 12,90 (digital + impresso) e R$ 139,90 (digital + impresso anual).

Clique AQUI para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Pedro Páramo
Juan Rulfo
Trad.: Eric Nepomuceno
José Olympio
176 págs.
Morte na água
Kenzaburo Oe
Trad.: Leiko Gotoda
Companhia das Letras
456 págs.
Kenzaburo Oe
Nasceu em 1935, no vilarejo de Ose, no Japão. Premiado desde sua estreia na ficção, quando recebeu o Akutagawa, publicou romances, contos e ensaios. Ganhou o Nobel de Literatura em 1994. Uma questão pessoal, Jovens de um novo tempo, despertai! e Morte na água são alguns de seus títulos lançados no Brasil.

Marina Colasanti

nasceu em Asmara (África), então colônia italiana, em 1937, chegando ao Brasil aos 11 anos de idade. Estreou na literatura em 1968 com o livro em prosa Eu sozinha. Em 50 anos de atividade literária, do ensaio à crônica, do conto à poesia, publicou mais de 50 títulos no Brasil e no exterior, sendo uma das autoras mais premiadas da literatura em todos os gêneros.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade