Do negro exige-se que seja um bom preto

O romance "Bom Crioulo", de Adolfo Caminha, é a primeira obra brasileira a explorar a subjetividade homossexual e ganha nova edição
Adolfo Caminha, autor de Bom Crioulo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital) e R$ 12,90 (digital + impresso).

Clique aqui para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Bom Crioulo
Adolfo Caminha
Todavia
169 págs.
Adolfo Caminha
Nasceu em 1857, em Aracati (CE). Muda-se para o Rio de Janeiro (RJ) na adolescência e ingressa na Marinha em 1883. Além de Bom Crioulo, escreveu A normalista (1893), No país dos ianques (1894) e Tentação (1896). Morre de tuberculose em 1897.

Ramon Ramos

É autor de Tinta (2012), Caroço (2013), A vulnerabilidade como procedimento (2018).

Publicidade

Leia também

Rascunho

Curitiba - PR

Entre os selecionados, há sete brasileiros: Julián Fuks, Maria Valéria Rezende, Julia de Souza, Veronica Stigger, Itamar Vieira Junior, Tiago D. Oliveira e José Rezende Jr.
Gisele Eberspächer

Curitiba - PR

Autora do primeiro livro escrito em árabe a vencer o The International Booker Prize, Jokha Alharthi acredita na potência transformadora da boa literatura
Rascunho

Curitiba - PR

Em texto, senador chama de “nefasta” a cobrança de tributação de 12% sobre os livros proposta pelo governo federal na reforma tributária
Rascunho

Curitiba - PR

Caê Guimarães e Tônio Caetano, ganhadores nas categorias Romance e Conto,
participam de live nesta terça-feira (24), com transmissão pelo YouTube e Facebook