Do negro exige-se que seja um bom preto

O romance "Bom Crioulo", de Adolfo Caminha, é a primeira obra brasileira a explorar a subjetividade homossexual e ganha nova edição
Adolfo Caminha, autor de Bom Crioulo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
01/08/2020
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital), R$ 12,90 (digital + impresso) e R$ 139,90 (digital + impresso anual).

Clique AQUI para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Bom Crioulo
Adolfo Caminha
Todavia
169 págs.
Adolfo Caminha
Nasceu em 1857, em Aracati (CE). Muda-se para o Rio de Janeiro (RJ) na adolescência e ingressa na Marinha em 1883. Além de Bom Crioulo, escreveu A normalista (1893), No país dos ianques (1894) e Tentação (1896). Morre de tuberculose em 1897.

Ramon Ramos

É autor de Tinta (2012), Caroço (2013), A vulnerabilidade como procedimento (2018).

Publicidade