Ensaios e Resenhas

Delacroix_artigo

O Delacroix de Chelsea

Por Ary Quintella

Um almoço em Londres, que poderia ter dado muito errado, abriu portas para o passado, presente e futuro

Machado de Assis por Fabio Abreu

Olhares sobre o Bruxo

Por Marcos Hidemi de Lima

As variadas óticas de contemporâneos e pósteros expressam que Machado de Assis foi tão plural quanto sua obra literária

o corvo

Faltou atenção

Por Paulo Henriques Britto

Resposta de Paulo Henriques Britto à resenha “O corvo revisitado”, de Paulo Franchetti

Álvaro Cunqueiro_2_236

A fantástica memória

Por Jocê Rodrigues

O galego Álvaro Cunqueiro foi um dos pilares do estilo que se consolidou como o Realismo Mágico latino-americano

Maria Cecilia Brandi

Anatomia poética

Por Cristiano de Sales

“A esponja dos ossos”, de Maria Cecilia Brandi, extrai poesia da carne ordinária

Mariana Salomão Carrara, autora de Se Deus me chamar não vou

Tempos sombrios

Por HARON GAMAL

“Se Deus me chamar não vou”, de Mariana Salomão Carrara, trata de temas como solidão, sofrimento e imortalidade

Philip K. Dick, autor de O Homem do Castelo Alto

Quando o gafanhoto se torna pesado

Por Arthur Marchetto

Em “O Homem do Castelo Alto,” Philip K. Dick mostra a importância da arte revolucionária em uma realidade governada pelos Países do Eixo

José Miguel Wisnik, autor de Maquinação do mundo: Drummond e a mineração

O lamaçal de Drummond

Por MARCOS PASCHE

“Maquinação do mundo: Drummond e a mineração,” de José Miguel Wisnik, é uma estupenda realização de crítica literária

Bruno Brum, autor de Tudo pronto para o fim do mundo

Legenda para reler o real

Por Fábio Lucas

“Tudo pronto para o fim do mundo,” de Bruno Brum, traz versos irônicos que reforçam a função crítica da tradição poética

Aleksandr Púchkin, autor de Eugênio Onêguin

Clássico russo absoluto

Por CLAYTON DE SOUZA

Como “Eugênio Onêguin,” Púchkin observa com lirismo e mordacidade a Rússia de seu tempo

Julio_Cortazar_235

De todos os jogos, o Jogo

Por Augusto Guimaraens Cavalcanti

“O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar, é um romance que exige do leitor papel fundamental em sua construção

Veronica Stigger, autora de Sombrio ermo turvo

O som e a palavra

Por GISELE EBERSPÄCHER

Em “Sombrio ermo turvo”, Veronica Stigger segue questionando as noções de gênero literário e interpretação