RODRIGO CASARIN

Sergio Vilas-Boas, autor de A superfície sobre nós

Romance de superfície

Por RODRIGO CASARIN

“A superfície sobre nós”, de Sergio Vilas-Boas, aos poucos torna-se numa narrativa um tanto arrastada e cansativa

Sidney_Rocha_foto_1_Joãomiguel_189

O cadáver na porta do quarto

Por RODRIGO CASARIN

Entrevista com Sidney Rocha, autor de Fernanflor

João Batista de Melo, autor de Malditas fronteiras

Em busca da cerveja medieval

Por RODRIGO CASARIN

Malditas fronteiras, de João Batista Melo, se desenrola com calma e paciência e tem a guerra sempre à espreita

Alex Sens, autor de O frágil toque dos mutilados

À beira do copo

Por RODRIGO CASARIN

Em romance de estreia, Alex Sens constrói trama com ótimos personagens e como eles se relacionam

O_Homem_bumerangue_alta__44007_zoom

Insossa estreia

Por RODRIGO CASARIN

Contos de O homem bumerangue, de Téo Lorent, não chegam a incomodar, mas estão longe de empolgar

Ogai_Mori_179

Na alcova oriental

Por RODRIGO CASARIN

“Um trabalhador a quem chamavam de Debakame tinha o costume de espiar as mulheres no banho público e, certa vez, […]

Toni Hill, autor de Os bons suicidas

O relativo valor da vida

Por RODRIGO CASARIN

Os bons suicidas, de Toni Hill, é apenas uma narrativa policial bastante convencional

Juan_Villoro_Ednodio_Quintero_177

Fascinante ruína

Por RODRIGO CASARIN

Ambientado no México, novo romance de Juan Villoro explora a banalização da violência

Afonso-Cruz_header

Tomando umas com Jesus

Por RODRIGO CASARIN

Em “Jesus Cristo bebia cerveja”, com frases de efeito e situações absurdas, Afonso Cruz apresenta uma nova Jerusalém

federico andahazi8

Sofríveis prazeres

Por RODRIGO CASARIN

“O livro dos prazeres proibidos”, de Federico Andahazi, apresenta Gutenberg como um ingênuo, enrolado e fracassado golpista

Campo violento

Por RODRIGO CASARIN

Neste ano, em virtude da Copa do Mundo, uma turba de livros sobre futebol dominou as prateleiras. Tive contato, li […]

Os excessos de um poeta utópico

Por RODRIGO CASARIN

Memórias do exílio de Manoel de Andrade se perdem entre páginas exaustivas