Canto enforcado em vento

Rodrigo T. Gonçalves faz sua segunda incursão pela poesia neste Canto enforcado em vento. Como o tom do título sugere, os versos flertam com reflexões imagéticas
Canto enforcado em vento
Rodrigo T. Gonçalves
Kotter
114 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
01/12/2020

Professor da Universidade Federal do Paraná, tradutor e editor, Rodrigo T. Gonçalves faz sua segunda incursão pela poesia neste Canto enforcado em vento. Como o tom do título sugere, os versos flertam com reflexões imagéticas — e parecem embalados por uma constante: a ideia do corte. Um corte que não se pretende metafísico, mas — com linguagem simples, por mais que metafórica — busca uma incisão sobre o real. Apropria-se da potência imanente da realidade para, por meio da materialidade da palavra, criar uma voz (ou vozes) que “propõe agudez”, mesmo que os poemas concordem em “não saber como findar”. A dualidade e as incertezas, afinal, são combustível para o material lírico, sem que se deixe de lado um manejo bem pensado da gramática e suas possibilidades — as quebras bruscas, o uso peculiar dos sinais de pontuação. Para a poeta e artista plástica Jussara Salazar, as escolhas formais do autor se combinam para “propor a implosão da infinitude”. O resultado pode ser visto como um livro “pleno e saciado/ já pronto em ser o templo/ do que ele mesmo mal consegue desvelar”.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade