🔓 “Manifesto” de Raimundo Carrero enfatiza papel “social” do escritor

“A luta verbal — A preparação do escritor” traz comentários sobre obras de Jorge Amado, Graciliano Ramos, Marcelino Freire e Itamar Vieira Junior
Raimundo Carrero, autor de “A luta verbal — A preparação do escritor”
02/08/2022

Em 2007, o pernambucano Raimundo Carrero publicou um livro chamado A preparação do escritor, contendo ideias sobre o fazer literário, em uma espécie de guia para escritores. Agora a obra ressurge com o título de A luta verbal — A preparação do escritor e vem acrescida de um novo ensaio. Alguns dos textos foram publicados na coluna de Carrero no Rascunho ao longo dos últimos anos.

Definido como “um manifesto contra a fome, a miséria, o racismo, a discriminação e o preconceito de toda ordem”, o livro também apresenta uma proposta pedagógica destinada a levar a rua para dentro da sala de aula através de obras de Jorge Amado, Graciliano Ramos, Marcelino Freire, Itamar Vieira Junior, Jeferson Tenório, Sidney Rocha, Ney Anderson, Lima Barreto, Nivaldo Tenório e Cícero Belmar. “Escritores rebeldes em permanente confronto com a agressiva e violenta realidade brasileira.”

Sugerem-se assim a leitura de contos, como Muribeca, de Marcelino Freire, de romances de Jorge Amado e outros autores, e possíveis atividades a serem trabalhadas a partir desses textos, como, por exemplo, a improvisação do rap, do slam ou do duelo de violeiros, que podem ser adaptados, em seguida, para teatro e dança.

O autor analisa as técnicas de escrita de Vida secas, de Graciliano, e Suor, de Jorge Amado, revelando ao leitor aproximações e diferenças, fazendo também uma breve reflexão sobre o movimento armorial.

Raimundo Carrero nasceu em dezembro de 1947 na cidade de Salgueiro, sertão de Pernambuco, e é um dos autores mais premiados do Brasil. Conquistou o prêmio Jabuti em 2000, o Prêmio São Paulo em 2010, o Prêmio APCA em 1995 e 2015, o Machado de Assis em 1995 e 2010, entre outros.

A luta verbal — A preparação do escritor
Raimundo Carrero
CEPE
264 págs.
Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Rascunho