Em livro, Aldous Huxley revisita suas próprias “profecias”

“Retorno ao Admirável mundo novo”, lançado quase três décadas após um dos maiores clássicos da ficção científica, retoma algumas questões urgentes
Aldous Huxley, autor de “Retorno ao Admirável mundo novo”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
22/09/2021

Em Retorno ao Admirável mundo novo, publicado quase três décadas após um dos maiores clássicos da ficção científica, o inglês Aldous Huxley (1894-1963) revisita algumas previsões caóticas que fez em sua obra-prima. O lançamento é da Biblioteca Azul.

“Em 1931, enquanto escrevia Admirável mundo novo, estava convencido de que ainda tínhamos muito tempo. Vinte e sete anos depois, estou me sentindo bem menos otimista do que estava quando o escrevi”, conta o autor, que publicou seu Retorno em 1958.

Nesse ritmo pouco amistoso, Huxley trata de temas como ameaças genéticas e psicológicas, o uso de drogas para controle social e o perigo sempre presente da ascensão de regimes totalitários. Soa familiar?

Aldoux Huxley nasceu em Surrey, na Inglaterra, em 1894. Além de seu clássico distópico e vários outros livros, assina As portas da percepção (1954), no qual relata suas experiências com mescalina. Morreu nos Estados Unidos, aos 69 anos, em novembro de 1963.

Retorno ao Admirável mundo novo
Aldous Huxley
Trad.: Fábio Fernandes
Biblioteca Azul
176 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade