Distopia de Ignácio de Loyola Brandão ganha edição comemorativa

Para celebrar os 40 anos da publicação de “Não verás país nenhum”, Global lança uma versão da obra com novo projeto gráfico e textos de apoio
Ignácio de Loyola Brandão, autor de “Não verás país nenhum”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
29/09/2021

Em comemoração aos 40 anos da publicação do romance Não verás país nenhum (1981), de Ignácio Loyola Brandão, a Global lança uma versão da obra com novo projeto gráfico, material de apoio e um texto do próprio autor explicando como surgiu a ideia do conto O homem do furo na mão, que viria a se tornar o livro.

Na narrativa, ambientada em um futuro não determinado, a água é produto de luxo, o calor está insuportável e o ser humano assiste ao desaparecimento de áreas verdes e rios, restando flores artificiais e montanhas de lixo. Além disso, há controle de informação, a população cresce desenfreadamente, a polícia mais atrapalha do que ajuda e a alienação parece regra.

Qualquer semelhança com a realidade de hoje não é mera coincidência. Na capa de Não verás país nenhum há um QR Code que leva o público a um vídeo exclusivo, no qual Ignácio comenta as sinistras previsões de sua obra e o tudo que acabou se concretizando. A ONU, afinal, acaba de anunciar que os danos ao meio ambiente estão em nível irreversível.

Vale lembrar que o romance é o segundo de uma trilogia distópica, composta por Zero (1975) e Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela (2018). Os livros não têm continuidade entre si, necessariamente, mas conversam por meio de uma pena pouco confiante em relação ao futuro da humanidade.

Ignácio Loyola de Brandão nasceu em Araraquara (SP), em 1936. Apesar do teor sinistro de alguns de seus livros, mostrou-se bem-humorado ao participar da seção Inquérito, veiculada mensalmente no Rascunho. Para o jovem escritor, deixou um conselho: “Se nada vem, vá dormir, veja um filme, encha a cara, trepe, viva a vida”.

Não verás país nenhum
Ignácio de Loyola Brandão
Global
424 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade