A negra cor das palavras

Em seu sexto conjunto de versos, Alexandra Vieira de Almeida busca explorar a riqueza suscitada pelas reflexões sobre o negro e o branco
A negra cor das palavras
Alexandra Vieira de Almeida
Penalux
102 págs.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
01/08/2020

Em seu sexto conjunto de versos, Alexandra Vieira de Almeida busca explorar a riqueza suscitada pelas reflexões sobre o negro e o branco — cores diametralmente opostas na escala cromática, mas muito mais complexas no plano da vida. Para além de sugerir como elas podem ser complementares, a poeta carioca traz a metáfora para o plano social e, através de símbolos e analogias, trabalha todo o potencial de uma raça há muito oprimida.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade