Morre Gumercindo Rocha Dorea, primeiro editor de Rubem Fonseca

Baiano também foi o primeiro a editar obras de Nélida Piñon e Fausto Cunha, além ter criado selo pioneiro de ficção científica no país
O editor Gumercindo Rocha Dorea
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
22/02/2021

Morreu neste domingo (21), em São Paulo, o editor, escritor e jornalista baiano Gumercindo Rocha Dorea. Ele tinha 96 anos e estava com câncer. Dorea fundou a editora que leva as iniciais de seu nome, GRD, e foi o primeiro editor de Rubem Fonseca, Nélida Piñon e Fausto Cunha. Ele também foi pioneiro na criação de um selo para editar obras de ficção científica no país.

Em 1961, publicou a primeira Antologia brasileira de ficção científica, com trabalhos de Diná Silveira de Queiroz, Antônio Olinto, Rachel de Queiroz e Fausto Cunha, dentre outros. Sua importância para a divulgação do gênero no Brasil é reconhecida em um verbete da SFE (Science fiction encyclopedia), de Londres.

Outro fato importante em sua biografia é que ele participava das atividades da Ação Integralista Brasileira e se tornou editor do líder Plínio Salgado (1895-1975). Também foi dirigente da Frente Integralista Brasileira, movimento de inspiração facista.

Em 1956, Dorea fundou a GRD, com a edição de Filosofia da linguagem, de Herbert Parentes Fortes. Formado em direito, Gumercindo estimava ter lançado cerca de 300 livros em seis décadas.

O editor foi o responsável pelas primeiras edições de Os prisioneiros (1963) e A coleira do cão (1965), livros considerados “seminais” entre a produção de contos de Rubem Fonseca.

Marco literário do século 20 no Brasil, Fonseca é considerado um dos maiores contista de todos os tempos. Feliz ano novo (1975) e O cobrador (1979) são outras de suas coletâneas de contos que ainda fazem grande sucesso e parte de sua melhor produção. Mineiro radicado no Rio de Janeiro, Fonseca também foi romancista, roteirista e ensaísta. Em 2003 venceu o prêmio Camões, o mais importante da língua portuguesa. Morreu em 15 de abril de 2020.   

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade