Claudia Lage e Marcelo Labes vencem Prêmio SP de Literatura

Romances sobre a ditadura e a imigração alemã no sul do Brasil levam prêmio de R$ 200 mil cada; cerimônia de entrega será em março de 2021
Marcelo Labes, autor de “Paraízo-Paraguay”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
09/12/2020

(09/12/20)

A carioca Claudia Lage venceu o Prêmio São Paulo de Literatura de melhor romance de ficção com O corpo interminável, publicado pela Record. A trama acompanha o jovem Daniel, que reconstitui a história de sua mãe, guerrilheira desaparecida durante a ditadura militar, e pauta a história de violências do país à época do regime.

Concorriam ao prêmio Milton Hatoum, Joca Reiners Terron, Maria Valéria Rezende, Julián Fuks, Paulo Scott, Patrícia Melo, Adriana Lisboa, Javier Contreras e João Anzanello Carrascoza.

O catarinense Marcelo Labes, com Paraízo-Paraguay, venceu a categoria de melhor romance de estreia. O livro, publicado pela Caiaponte, relata a imigração alemã no sul do Brasil, no século 19, e conta o envolvimento de um dos europeus vindos ao país na guerra contra o Paraguai.

O prêmio é concedido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa de São Paulo. Os vencedores receberão, cada um, prêmio de R$ 200 mil, em cerimônia marcada para março de 2021.

>>> LEIA resenha de O corpo interminável.

O CORPO INTERMINÁVEL
Claudia Lage
Record
195 págs.
Paraízo-Paraguay
Marcelo Labes
Caiaponte

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade