Secretário de Cultura chama de vergonha reedição de Monteiro Lobato sem trechos racistas

Mário Frias criticou bisneta do autor, que pretende fazer “versão atualizada” de “A menina do narizinho arrebitado” 
Monteiro Lobato, autor de “A menina do narizinho arrebitado” 
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
23/12/2020

A notícia de que Cleo Monteiro Lobato, bisneta de Monteiro Lobato, pretende reeditar livros do autor suprimindo trechos considerados racistas por alguns críticos gerou reação entre integrantes do governo Jair Bolsonaro. O secretário de Cultura, Mário Frias, e o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, criticaram nas redes sociais a notícia.

Neste mês, a obra A menina do narizinho arrebitado, de Lobato, completou 100 anos. O livro traz passagens em que a personagem Tia Nastácia é chamada de “macaca de carvão”.

“Eu acho que há passagens problemáticas para quem lê os livros hoje em dia. A gente queria uma versão atualizada, cujo teor fosse compatível com os valores sociais contemporâneos, mas que mantivesse o estilo do Lobato”, disse Cleo à Folha de S. Paulo quando o projeto foi anunciado.

Mário Frias reagiu nas redes sociais classificando como uma “vergonha” a edição da obra de Lobato. “Quantos livros e histórias maravilhosas que embalaram minha infância. Que vergonha!”.

Já Camargo utilizou como exemplo o pai, o poeta Oswaldo de Camargo, para criticar a bisneta de Lobato. “Meu pai é escritor. Alterar uma única palavra de sua obra, após sua morte, seria como esfaqueá-lo pelas costas.” Ele também acusou a esquerda de ser mais racista que Monteiro Lobato e usou termos como “ofendidinho” e “afromimizento” para criticar quem apoia a alteração das obras do escritor.

Há alguns anos a obra de Monteiro Lobato vem passando por uma reavaliação crítica. De um lado, há quem defenda a edição do texto original para que haja uma readequação aos valores mais contemporâneos. No entanto, há também quem prefira a preservação do texto original como forma de não mutilar a obra do autor.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade

Leia também

Rascunho

Curitiba - PR

Em “Solidão e companhia”, organizado pela jornalista Silvana Paternostro, a vida do autor de “Cem anos de solidão” é contada por pessoas próximas
Rascunho

Curitiba - PR

“O som do rugido da onça” narra trajetória de crianças indígenas capturadas no Brasil no século19 pelos pesquisadores alemães Von Spix e Von Martius
Rascunho

Curitiba - PR

Valter Hugo Mãe, José Eduardo Agualusa, Mia Couto, José Luís Peixoto e Gonçalo Tavares abrem a temporada 2021 do evento, idealizado e conduzido por Afonso Borges
Rascunho

Curitiba - PR

Nos quase 60 textos de “Coragem de viver”, escritor gaúcho homenageia sua mãe, Maria Carpi, que completou 30 anos de atividade poética em 2020