“Luz em agosto”, de William Faulkner, volta a circular

Um dos principais romances do vencedor do Nobel de Literatura de 1949 expõe as maldades de um Estados Unidos marcado pelo racismo
William Faulkner, autor de “Luz em agosto”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
03/09/2021

No romance Luz em agosto, reeditado pela Companhia das Letras, o norte-americano William Faulkner (1897-1962) narra a dura trajetória de Lena Grove em meio à violência racial e religiosa do sul dos Estados Unidos.

A personagem, abandonada grávida pelo marido, recusa esse destino e vai atrás do pai da criança — a pé e de carona, sem nenhuma segurança, cercada pela barbárie de uma região arcaica.

“Sentada à beira da estrada, espiando a carroça subir a colina em sua direção, Lena pensa: ‘Vim do Alabama: um estirão. O caminho todo do Alabama até aqui andando. Um estirão’”, começa a história.

Em paralelo, no mesmo local, o órfão Joe Christmas está foragido após atacar seu pai adotivo. Apesar de ter pele clara, o rapaz acredita ter ancestrais negros. Essa intuição faz com que ele enfrente uma crise identitária — e assim o romance se desenvolve, explorando as cicatrizes de um país dividido pela Guerra Civil.

William Faulkner nasceu em New Albany, no Mississippi, em 1897. Publicou O som e a fúria, Enquanto agonizo e Absalão, Absalão!, entre outros livros. Ganhou o Nobel de Literatura (1949), dois Pulitzer e um National Book Award. Morreu em 1962.

Luz em agosto
William Faulkner
Trad.: Celso Mauro Paciornik
Companhia das Letras
472 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade