Em sua derradeira obra, “O livro do xadrez”, Stefan Zweig aborda o nazismo

Livro, que se passa em um navio que deixa Nova York com destino a Buenos Aires, foi escrito durante o exílio do autor no Brasil
Stefan Zweig, autor de “O livro do xadrez”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
09/09/2021

Última obra de Stefan Zweig, O livro do xadrez foi escrito durante seu exílio no Brasil e enviado ao editor americano poucos dias antes do suicídio do autor, em 1942. Essa novela, publicada pela Fósforo, é também o único texto em que o escritor austríaco de origem judaica aborda diretamente o tema do nazismo, por meio de sua mirada psicológica característica.

A bordo de um navio que deixa Nova York com destino a Buenos Aires, o narrador descobre que entre os passageiros encontra-se Mirko Czentovic, campeão mundial de xadrez, homem arrogante e pouco sociável que parece ter no jogo o único meio de se relacionar com os outros.

A curiosidade com essa figura reservada e a competitividade natural entre homens conspiram para que em poucos dias de viagem se dê o embate entre o enxadrista e um exército de diletantes orgulhosos, empenhados em derrotar o grande mestre — que vence sucessivas partidas sem esforço. Até que entra em cena uma figura inesperada.

Como um sujeito discreto e de passado obscuro, que diz nunca ter tocado num tabuleiro de xadrez, consegue dominar as nuances do jogo, e a que custo ele foi introduzido às artes da estratégia, são o coração dessa história, que já rendeu duas adaptações para o cinema e inspirou peças de teatro e até uma ópera.

Stefan Zweig nasceu em Viena, em 1881, em uma família judia abastada. Romancista, biógrafo, poeta e tradutor, foi um dos escritores de maior êxito na Europa dos anos 1930, amplamente traduzido antes da Segunda Guerra Mundial.

Com a ascensão do nazismo, Zweig foi obrigado a emigrar para Londres e depois para Nova York, estabelecendo-se por fim no Brasil, onde cometeu suicídio ao lado da esposa em 1942 na cidade de Petrópolis. Entre suas numerosas obras, destacam-se Brasil, país do futuro (1941) e Autobiografia: O mundo de ontem (1942).

O livro do xadrez
Stefan Zweig
Trad.: Silvia Bittencourt
Fósforo
88 págs.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade