A poesia de Fernando Monteiro e os horrores da ditadura

Em “Os vivos (?) e os mortos”, autor pernambucano escreve longo poema sobre a “casa da morte”, imóvel usado por membros da ditadura para torturar dissidentes
Fernando Monteiro, autor de “Os vivos (?) e os mortos”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
24/11/2020

(24/11/20)

Os vivos (?) e os mortos é o novo livro de poemas do pernambucano Fernando Monteiro. Dando continuidade ao seu projeto poético de livros com longos poemas temáticos (Vi uma foto de Anna Akhmátova, Mattinata, Museu da noite), Monteiro escreve sobre o aparato de perseguição e tortura da ditadura militar brasileira, instaurada em 1964. O livro está com uma campanha de financiamento coletivo para a publicação.

O poema gira em torno da chamada “casa da morte”, residência localizada no número 668 da rua Arthur Barbosa, em Petrópolis, no Rio de Janeiro, usada por membros do regime militar para torturar e assassinar presos políticos durante os anos 1970.

Ao mesmo tempo que trata dos “mortos” da ditadura e da geração altruísta que lutou contra ela, o escritor traz o seu poema até os dias atuais, expondo os contrastes entre aquela geração combativa e os “vivos (?)” da geração atual, altamente conectados.

O livro é editado pela Sol Negro Edições, de Natal, e conta com projeto gráfico criado pelo editor e designer Márcio Simões em parceria com o ilustrador Chico Díaz. Conhecido por seu trabalho como ator, na TV e no cinema, Díaz também é artista visual.

Fernando Monteiro nasceu no Recife, em 1949. É escritor, poeta e cineasta. Estreou com o livro Memória do mar sublevado, em 1973. Seu segundo romance, A cabeça no fundo do entulho, venceu o primeiro Prêmio Bravo! de Literatura, em 1998. Em 2017, foi o autor homenageado da Bienal Internacional de Literatura de Pernambuco.

Rascunho

Rascunho foi fundado em 8 de abril de 2000. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, é distribuído em edições mensais para todo o Brasil e exterior. Publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poemas, crônicas e trechos de romances), ilustrações e HQs.

Publicidade

Leia também

Carolina Vigna

São Paulo - SP

A minha vida, pelo menos, faz mais sentido se contada pelas quedas. Pelas vitórias seria uma história muito curta
Rascunho

Curitiba - PR

Em seu livro de estreia, Isabel Lopes Coelho faz uma reflexão sobre o mercado editorial europeu a partir de obras clássicas da literatura infantil
Rascunho

Curitiba - PR

Autor de livros de ficção e com grande experiência no mercado editorial, ele vai substituir Carlos Andreazza, que ficou no cargo por quase 10 anos
Rascunho

Curitiba - PR

Organizada pelo poeta e cronista José Mário Rodrigues, obra traz textos de Raimundo Carrero, Marilene Felinto, Lourival Holanda e Cícero Belmar