Contra a opressão e o obscurantismo

Trecho de uma alocução romana do século 1 ou 2 denuncia desmandos e crueldades de um tirano regional e lamenta o estado das coisas em sua época
Ilustração: FP Rodrigues
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
22/01/2021

Essa alocução, atribuída a Quintus Severus Lauriacum, e datada de fins do século 1 ou começo do século 2, encontrada na seção de manuscritos do Museu do Vaticano em 1948, provavelmente refere-se a um cônsul que administrava alguma província do Império Romano – acredita-se que Nórica ou Rétia. O Autor, de quem nada sabemos, lamenta a gestão obscurantista e totalitária do governante, cujo nome se perdeu no tempo, e que o documento, incompleto, não revela. Abaixo, transcrevo o trecho que sobreviveu, cuja tradução deve-se ao grande latinista, padre Antônio Queiroga da Silva (1893-1961), publicado na antologia Codice Hieronymianum (Petrópolis: Vozes, 1960, p. 123-125).

“E porque nascera de gente pobre (proletarii), odiava a gente pobre, para que não o confundissem com seu passado;
E porque fora repudiado pela gente remediada (plebei), odiava a gente remediada e punia-a com pesados impostos (gravibus tributa) e perda de direitos (detrimentum iurim);
E porque fora ridicularizado pela gente rica (patricii), adulava a gente rica, porque queria ser como eles.

E porque, soldado medíocre (miles mediocriter), fora desligado das legiões militares (legionibus militum), odiava os militares e tudo fazia para humilhá-los em público;
E porque, despido de inteligência (ingenio exuti), fora desmerecido pelos companheiros (comitibus), odiava as ciências, as matemáticas, as letras, as artes, a filosofia;
E porque, filho de estrangeiro (peregrino filius), fora tratado com desdém (in fastu negas), odiava os estrangeiros, sobretudo os africanos (Africani) e os nativos (nativus).

E porque, mau amante (malum amans), fora repelido pelas mulheres, odiava as mulheres e incentivava a crueldade contra elas;
E porque, inseguro de sua virilidade (virilitatem), odiava e perseguia todos aqueles que praticavam amores não convencionais (amet ligula);
E porque, sendo preguiçoso (otiosum), odiava os que trabalhavam e buscava maneira de prejudicá-los.

E porque, possuído de espírito bélico (spiritus bellum), lançou suas milícias (militias) contra o povo;
E, porque, sacrificando a todos os deuses (sacrifice omnibus diis), menosprezava cada um deles;
E, porque odiasse o gênero humano (homines), nos legou a tirania (tyrannide), a violência (violentiam), a peste (pestis), a guerra (bellum);

Porque, pretendendo desprezar a morte, desprezava na verdade a vida.

Ó, deuses, lançai línguas de fogo (lingua ignis) sobre o Inominável (Innominabile) e seus seguidores (sectatores) para dizimar todos aqueles que,
ressentidos, pregam o ódio;
arrogantes, exaltam a ignorância;
estúpidos, vangloriam a força física;

Pois nada mais grave que a ignorância arrogante de um estúpido que, ressentido, prega o ódio entre seus semelhantes”.

Luz na escuridão
Sérgio Fantini, contista, romancista, poeta: “Rizo é uma coletânea de dez textos que se situam no limite da prosa e da poesia. Todos foram publicados antes nos meus livros Camping Pop (Yiyi Jambo), SilasNovella A ponto de explodir (Escribas). Deínha é o mais antigo, lancei como folheto no Carnaval de 1982, impresso em duplicador a álcool. Esta edição sairá este ano pelo selo Faísca Lab, da Faísca Festival Internacional de Risografia, obviamente impressa pelo processo risográfico, e a pré-venda, com desconto, está no ar pela loja virtual no site da Faísca. A apresentação é do poeta Wir Caetano (‘A vida não é inédita. Como não é inédita, não é difícil ser seu contemporâneo’). O Festival, que começou em setembro de 2020, é uma iniciativa do Jão e da Helen Murta, editores da Pulo, que lançou Quarenta, meu livro de memórias e poesia, em 2019”.

Parachoque de caminhão
“Pode-se chegar ao assassínio por ódio ou por amor; mas à instigação do assassínio só se chega por crueldade.”
Italo Svevo (1861-1928) 

Antologia pessoal da poesia brasileira
Júlia Cortines
(Rio Bonito, RJ, 1863 – Rio de Janeiro, RJ, 1948)

Última página

Antes de mergulhar no silêncio da morte,
Ou da idade sentir a fraqueza e o torpor,
Eu quisera lançar, num supremo transporte,
Meu grito de revolta e meu grito de horror.

Mas sei que por mais forte e por mais estridente
Que ela corra através do infinito, até vós,
Ó céus, que além brilhais numa paz inclemente,
Nem qual brando rumor chegará minha voz!

Mas sei que não há dor que a natureza vença,
E que nunca a fará de leve estremecer
Na sua eternidade e sua indiferença
O lamento que vem dum transitório ser

Mas sei que sobre a face execrável da terra,
Onde cada alma sente, em torno, a solidão,
Esse grito, que a dor duma existência encerra,
Não irá ressoar em nenhum coração.

Contudo, num clamor de suprema energia,
Eu quisera lançar minha voz! Mas a quem
Enviar esse brado imenso de agonia,
Se para o compreender não existe ninguém?!

(Vibrações, 1905)

Luiz Ruffato

Estreou em 2001 com Eles eram muitos cavalos, e, depois disso, publicou outros cinco romances, uma coletânea de contos, uma de poemas, uma de crônicas, um ensaio e uma história infantil. Seus livros ganharam os prêmios APCA (duas vezes), Jabuti (duas vezes), Machado de Assis da Biblioteca Nacional e Casa de las Américas, de Cuba, e estão publicados em 13 países. Em 2012 foi escritor-residente na universidade de Berkeley (EUA); e em 2016 ganhou o Prêmio Internacional Hermann Hesse, na Alemanha.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade