Eu não sou sozinha

Obra de Jarid Arraes é soco no estômago do preconceito em tempos de “meninos vestem azul e meninas vestem rosa”
Jarid Arraes, autora de “Redemoinho em dia quente”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
31/01/2020
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital) e R$ 12,90 (digital + impresso).

Clique aqui para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Redemoinho em dia quente
Jarid Arraes
Alfaguara
128 págs.

Antonio Munró Filho

É formado em Jornalismo e Letras pela PUCRS. Atualmente, cursa mestrado em Literatura, Cultura e Contemporaneidade na PUC-Rio.

Publicidade

Leia também

José Leonardo Sousa Buzelli

Campinas - SP

Pelo ineditismo e por suas muitas qualidades, “Fragmentos de Aristófanes”, de Karen Amaral Sacconi, deveria ser adotado em escolas e universidades
Luiz Ruffato

São Paulo - SP

Um episódio verídico ocorrido nos tempos em que os bichos falavam e liam jornais e os jornais influenciavam a opinião pública
Rascunho

Curitiba - PR

Artigos foram publicados no diário da “Liga dos Comunistas, Nova Gazeta Renana”, no período da Revolução Alemã e da contrarrevolução na Europa
Carolina Vigna

São Paulo - SP

Aldous Huxley viveu e morreu como quis e, para mim, essa é a mais importante medida de uma vida plena. É meu objetivo, meu norte