Olhares sobre o Bruxo

As variadas óticas de contemporâneos e pósteros expressam que Machado de Assis foi tão plural quanto sua obra literária
Machado de Assis por Fabio Abreu
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
31/12/2019
Exclusivo para assinantes

Escolha um plano de assinatura e aproveite todo nosso conteúdo.
R$ 7,90 (digital) e R$ 12,90 (digital + impresso).

Clique aqui para assinar

JÁ É ASSINANTE?

Entrar

Escritor por escritor: Machado de Assis segundo seus pares (1908-1939)
Orgs.: Hélio de Seixas Guimarães e Ieda Lebensztayn
Imprensa Oficial de SP
408 págs.
Hélio de Seixas Guimarães
Professor livre-docente na área de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo (USP), pesquisador do CNPq desde 2008, pesquisador associado da Biblioteca Brasileira Guita e José Mindlin e editor da revista eletrônica Machado de Assis em linha. Foi Tinker Visiting Professor na Universidade de Wisconsin, em Madison (EUA), e professor visitante na Universidade da Califórnia (UCLA), em Los Angeles. Tem pós-doutorados pelas University of Manchester (2007) e Fundação Casa de Rui Barbosa (2015-2016). É autor de Machado de Assis, o escritor que nos lê (2017) e A olhos vistos, uma iconografia de Machado de Assis (com Vladimir Sacchetta, 2008). Em 2005, recebeu o Jabuti pela obra Os leitores de Machado de Assis.

Marcos Hidemi de Lima

É professor de Literatura Brasileira na UTFPR de Pato Branco (PR). Autor de Dança de palavras e sonsMulheres de GracilianoVárias tessituras. Escreve crônicas semanais para o Diário do Sudoeste, jornal de Pato Branco.

Publicidade

Leia também

Rascunho

Curitiba - PR

No ano em que lançou o primeiro volume de suas memórias, “Uma terra prometida”, ex-presidente sugere alguns livros que mais o marcaram
Rafael Zacca

Rio de Janeiro - RJ

"Canções de atormentar" insere Angélica Freitas na tradição de artistas que interpretam o Brasil, com versos sobre um país cada vez mais inóspito
Rafael Zacca

Rio de Janeiro - RJ

Em novo livro, repleto de “musicalidade”, Angélica Freitas, que vive na Alemanha, não perde de vista os problemas sociais e políticos que assolam o Brasil
Rascunho

Curitiba - PR

Itamar Vieira Junior, com o romance “Torto arado”, e Cida Pedrosa, com a coletânea de poemas “Solo para vialejo”, foram alguns dos destaques do ano