RAIMUNDO CARRERO

Com açúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

Por RAIMUNDO CARRERO

O escritor precisa sempre acreditar na única lei que lhe é imposta: nenhuma regra lhe pode ser imposta, nenhum decálogo […]

Ilustração: Nilo

Curvas e retas no caminho da ficção

Por RAIMUNDO CARRERO

Na coluna passada, dissemos que há dois caminhos para o narrador do texto literário: 1) Digressão; 2) Comentários. E mostramos, […]

A narrativa é construída de cena em cena

Por RAIMUNDO CARRERO

Quando me refiro à simplicidade do texto, quero mostrar que o primeiro compromisso do narrador é fazer com que a […]

Andamento segue reto por linhas tortas

Por RAIMUNDO CARRERO

Na coluna anterior começamos a mostrar como uma narrativa é construída cena após cena a princípio de acordo com o […]

Tem barulho? O cenário resolve

Por RAIMUNDO CARRERO

Atenção: não se pode transformar o elemento artístico em trabalho burocrático. Cena aqui, cenário acolá, diálogo mais adiante. Todos sabemos […]

Na dança das cenas o psicológico se apresenta

Por RAIMUNDO CARRERO

Se o cenário ilude, esconde ou disfarça, a cena torna mais rápida a movimentação interna da prosa. É puro jogo, […]

Gustave_Flaubert_141

Não se acanhe: ficção é lugar para conversa

Por RAIMUNDO CARRERO

Em literatura, estética e conteúdo caminham juntos

Para que você quer estilo?

Por RAIMUNDO CARRERO

O narrador precisa desafiar o leitor com vozes de personagens

Ficção de qualidade dança e canta

Por RAIMUNDO CARRERO

Os mínimos recursos internos tornam a literatura mais rica

O princípio e o fim são conceitos vagos

Por RAIMUNDO CARRERO

Quando penso no tempo de um romance — novela ou conto — nunca me preocupo com o começo, o meio […]

Sem personagem, a digressão se diverte

Por RAIMUNDO CARRERO

O romance contemporâneo tem sempre uma dúvida: como começar? Em geral, aconselha-se sempre uma abertura com cena rápida para envolver […]

Ismail Kadaré faz um jogo perfeito, de modo que muitas vezes um dos interlocutores desaparece completamente.

É conversando que a gente se entende

Por RAIMUNDO CARRERO

    O diálogo tem sido sempre uma técnica que me encanta na prosa de ficção. Pelo menos, aqui, não […]