VIDRAÇA_166

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
03/02/2014

Morre Julián Ana
O crítico literário e colaborador do Rascunho Julián Ana morreu na madrugada de 21 de janeiro. O corpo foi encontrado por sua empregada caído na biblioteca, onde Julián passava boa parte dos dias. Nascido em Hormiguero, Argentina, em 1941, ele foi professor visitante em várias universidades dos países de língua portuguesa, inclusive na Universidade de Coimbra, onde se doutorou em Literatura Comparada com tese sobre O devir histórico da terminologia. Colaborou com diversas revistas e jornais. Aposentado, passou a residir em Las Heras e a dedicar-se especialmente à literatura brasileira contemporânea e à suinocultura.

Ana lia Pereira
O advogado e jornalista Samarone Dias, sobrinho de Julián Ana, contou por email que encontrou ao lado do corpo o livro Na escuridão, amanhã, de Rogério Pereira, editor do Rascunho. A dedicatória — “Ao amigo, toda a escuridão” — estava rasurada. Na página 57, na letra miúda e quase ilegível de Julián, lia-se “mierda, hijo de puta”. E nada mais foi dito.

No Planalto
A II Bienal Brasil do Livro e Literatura acontece de 12 a 21 de abril, em Brasília. Seminários, palestras e a segunda edição do Prêmio Brasília de Literatura compõem o evento. Neste ano, R$ 320 mil serão distribuídos entre oito categorias literárias — biografia, conto, crônica, infantil, juvenil, poesia, romance e reportagem. O prazo de inscrição vai até 3 de março e pode ser feita tanto pelos autores quanto por seus representantes legais. Os primeiros colocados serão contemplados com R$ 30 mil e o troféu Prêmio Brasília de Literatura; para os segundos colocados, R$ 10 mil e o troféu. A entrega dos prêmios acontecerá dia 20 de abril. Importante lembrar que somente obras publicadas de 1º de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2013, em primeira edição, podem participar.

Schroeder na Record
Carlos Henrique Schroeder acaba de assinar contrato com a Record para a publicação de dois livros. Em 2014, será lançada a novela As fantasias eletivas e, em 2015, o romance História da chuva. A novela se passa em Balneário Camboriú, litoral catarinense. Renê é um recepcionista de hotel que precisa reconstruir sua vida, vendo um caminho na amizade com Copi, um escritor travesti obcecado por fotografias. Com a morte de Copi, Renê experimenta novamente a desgraça — desta vez, sem volta.

Na rede
O e-galáxia (www.e–galaxia.com.br) pretende transformar o conceito de autopublicação no país. Idealizado pela designer e publicitária Mika Matsuzake ao lado de Tiago Ferro, o e–galáxia contará com grandes nomes do mercado editorial oferecendo seus serviços no site, entre eles o editor e ensaísta Ronald Polito, a tradutora do alemão Claudia Abeling, os capistas João Baptista da Costa Aguiar e Kiko Farkas, entre outros.

A preço de banana
E por falar em Carlos Henrique Schroeder e e-galáxia, ambos estão juntos na coleção Formas breves. Ele coordenará o lançamento de um conto por semana no espaço virtual. Serão traduções exclusivas de clássicos da literatura mundial e narrativas da nova geração de escritores em língua portuguesa. O primeiro lançamento é o conto Averrós, de José Luiz Passos, vencedor do Prêmio Portugal Telecom. Todos os textos estarão à venda exclusivamente em e-book, nas lojas Amazon, Apple, Iba, Cultura e Saraiva, a U$ 0,99 ou R$ 1,99.

Carlos Henrique Schroeder fechou acordo com a editora Record e coordenará projeto na e-galáxia
Carlos Henrique Schroeder fechou acordo com a editora Record e coordenará projeto na e-galáxia

Pé na estrada
Miguel Sanches Neto não gosta de ficar parado. O autor de Chove sobre minha infância passou sete dias em janeiro construindo uma visão sobre pessoas que vivem à margem, fazendo anotações e tirando fotos amadoras entre Apucarana e Curitiba. A experiência, batizada de Residência Literária na Rodovia do Café, será publicada no livro Muitas margens.

Miguel Sanches

Josélia na Mantiqueira
Com a curadoria da escritora e jornalista Josélia Aguiar, acontece de 4 a 6 de abril o Festival da Mantiqueira, em São Francisco Xavier (SP). O festival é uma realização do Governo de São Paulo e faz parte de uma série de eventos com o objetivo de divulgar autores e obras, formar público e estimular a criação literária.

Poesia nas linhas da vida
Aos 83 anos, morreu o poeta argentino Juan Gelman. Nascido 3 de maio de 1930, Gelman teve uma carreira extensa e premiada. Em 2007, venceu o prêmio Cervantes — o mais importante da literatura em língua espanhola. Foi um assíduo lutador contra as barbáries das ditaduras do Cone Sul (Argentina, Chile e Uruguai). Integrou as Forças Armadas Revolucionárias (FAR) e, em 1975, viu-se jogado no exílio devido às ameaças da Aliança Anticomunista Argentina. Marcado por lutas, prisões e tragédias familiares, a obra do poeta se voltou para denúncias, tornou-se reconhecida e teve apoio de nomes como Vargas Llosa e Graham Greene. Residiu na Cidade do México por mais de 20 anos, onde morreu no dia 14 de janeiro.

Juan Gelman morreu dia 14 de janeiro de 2014, aos 83 anos

Futebol e literatura
A coletânea Entre as quatro linhas – contos sobre futebol será lançada no dia 6 de fevereiro, às 19h, em São Paulo. A Editora DSOP transformará o Museu do Futebol, localizado no estádio do Pacaembu, em um verdadeiro boteco. Além da noite de autógrafos, será montada uma estrutura remetendo ao mundo futebolístico e aos longos debates em volta de uma mesa — tudo regado a cerveja, caipirinha e comidas típicas de bar. A coletânea com 15 contos — lançada em outubro passado na Alemanha — é organizada por Luiz Ruffato e traz nomes como Eliane Brum, Adriana Lisboa, Rogério Pereira (editor do Rascunho), André Sant’Anna, Ana Paula Maia e Cristovão Tezza.

Últimas edições

Publicidade

Publicidade