Dom Casmurro

junho 2020 / Dom Casmurro / Witter Bynner

Texto publicado na edição #242

Witter Bynner

Sete poemas de Witter Bynner

> Por Witter Bynner

Tradução e seleção: André Caramuru Aubert

Lovers

From somewhere over the houses, through the silence,
Through the late night, come windy ripples of music.
There’s a lighted cigarette-end in the black street,
Moving beside the music he has brought her.
Behind a shuttered window, there’s a girl
Smiling into her pillow. And now by her hand
There’s a candle lighted and put out again.
And the shadow of a bird leaves its perch for a smaller twig.

Namorados

De algum lugar acima das casas, através do silêncio
Através da noite alta, chegam brisas ondulantes de música.
Há uma bituca de cigarro acesa na rua negra,
Movendo-se com a música que que ele levou a ela.
Atrás da janela fechada há uma garota,
Sorrindo em seu travesseiro. E agora, perto dela
Uma vela foi acesa mas logo apagada.
E a sombra de um pássaro deixando seu galho por um menor.

>>>

Untitled

All tempest
Has
Like a navel
A hole in its middle
Through which a gull may fly
In silence

Sem título

Toda tempestade
Tem
Como um umbigo
Um buraco no meio
Por onde uma gaivota pode voar
Em silêncio

>>>

Broken circle

With rowlocks quieted, our unison
— Lately a burning image of the moon —
Is now a circle that the waves confound
And break and splinter from the perfect round.

A little wind shivers along the lake,
As though the shadow of a heart should break;
From far away, the wailing of a loon
Becomes another fragment of the moon.

Círculo rompido

Silenciados os encaixes dos remos, nossa unissonância
— Ultimamente uma imagem da lua a arder —
É agora um círculo que as ondas confundem
E quebram e arrancam as lascas de uma volta perfeita.

Um vento leve vai arrepiando o lago,
Como se a sombra de um coração devesse se romper;
Vindo de longe, o lamento de uma gaivota
Se torna um outro fragmento da lua.

>>>

Snow

Though he searched the south, the east, the west,
The north, too, for a warming breast,
Now in the depth of night he goes
Naked among farthest snows.
For snow, touching the flesh, can warm
As well as fire and do less harm.

Neve

Ainda que tenha procurado no sul, no leste, no oeste,
E também no norte, por seios cálidos,
Agora, na profundeza da noite, ele vai,
Nu, entre as nevascas mais distantes.
Porque a neve, quando toca a carne, pode aquecer
Tanto quanto o fogo, com menos dor.

>>>

In Mescala

Above a floating edge of hyacinths,
Lantanas and zinnias interrupt the streets;
Weeds hung with blossom crowd to the roofless church
Where priests from Spain built better than their bones;
And in the tumbled plaza, two old sages
With Asian faces and with Indian hats
Play — on a drum and a morning-glory pipe —
A jolly requiem for the Spanish dead.

Em Mescala

Acima de um exuberante canteiro de jacintos,
Lantanas e zínias invadem as ruas;
O mato florido dependurado na igreja destelhada
Que padres da Espanha construíram mais solidamente que os próprios ossos;
E na praça arruinada, dois velhos sábios
Com rostos asiáticos e chapéus indígenas
Tocam — com um tambor e uma flauta de glória-da-manhã —
Um alegre réquiem para o espanhol morto.

>>>

Chinese notes

[IV – In Shantung]

A burnished magpie
Strutting in the sun
Claiming a path among furrows of rice —
But in the distance
The quiet trot
Of a blue-coated horseman.

Notas chinesas

[IV – Em Xantum]

Um iluminado passarinho
Escrutinando ao sol
Reivindica um caminho entre os canais do arrozal —
Mas, ao longe,
O trotar tranquilo
De um cavaleiro com seu casaco azul.

>>>

Opus 14

Beside the brink of dream
I had put out my willow-roots and leaves
As by a stream
Too narrow for the invading greaves
Of Rome in her trireme…
Then you came — like a scream
Of beeves.

Opus 14

Perto da beirada do sonho
Deixei minhas folhas e as raízes de salgueiro
Como se à margem de um córrego
Por demais estreito para as caneleiras invasoras
De Roma em sua trirreme…
E então você veio — como um grito
De protesto.

Print Friendly